quinta-feira, 7 de maio de 2009

Crítica: O Último Rei da Escócia ( The Last King of Scotland )


Com uma atuação arrebatadora, Forest Whitaker faz de O Último Rei da Escócia um filme obrigatório para os cinéfilos de plantão,mas o longa não se sustenta somente em sua interpretação.Injustamente jogado para escateio, James McAvoy foi esquecido pela crítica e pelo público,porém em momento algum do filme o brilho de sua atuação é ofuscado pelo brilho da atuação de Forest.







Por Bárbara



Baseado em um romance de Giles Foden, O Último Rei da Escócia não é totalmente "baseado em fatos reais".Quisera eu citar que o terrível ditador Idi Amin Dada é somente um personagem fictício desse romance, porém como a vida não é um mar de rosas ele realmente vagou sobre a face de Terra e pior, vagou e exterminou pessoas da face da Terra.

Por causa de sua coragem e carisma, queira muito que o médico escocês Nicholas Garrigan interpretado por James McAvoy fosse real, mas ele somente existiu no romance de Giles Foden.Muitos dos fatos acontecidos no longa foram somente frutos da imaginação do autor e isso torna o filme fascinante de se ver, tamanha veracidade em que os acontecimentos são mostrados ao público, que dependendo da parte do filme, acredita que tudo foi verdade.

Eu mesma acreditei que tudo aquilo foi de verdade!Depois que assisti o filme,corri para o Google e digitei Nicholas Garrigan, mais ou menos como fiz depois que assisti Milk, querendo saber mais sobre ele.Para minha decepção ele nunca existiu de verdade.Nunca torci tanto para uma personagem tanto quanto torci para ele.

Entretanto, o massacre as tribos locais, assassinatos políticos, torturas e a expulsão de aproximadamente 40.000 asiáticos de Uganda foram verídicos.Idi Amin Dada matou aproximadamente 300.000 ugandenses durante o seu regime, que durou 8 anos ( 1971-1979 ).E ainda a humanidade só sabe falar de Hitler!

Pois muito bem, depois dessa "viajada" que eu dei tentando começar a introdução dessa resenha,vamos ao filme propriamente dito.Nicholas Garrigan ( James McAvoy ) é um jovem médico recém - formado.Cansado da forma que seu pai o trata, sempre lhe dando um balde de água fria, ele resolve sair do país em busca de aventura, romance e alegria além de um lugar que precise de suas habilidades médicas.

Escolhendo um país aleatoriamente, ele acaba indo para Uganda.Quando chega lá, percebe que o país está passando por um momento delicado,pois o presidente foi deposto e em seu lugar foi empossado o chefe do exército, Idi Amin Dada.

Nicholas fica totalmente encantado com o povo e os costumes de Uganda, nem se preocupando com a tensão política que estava no ar.Em um dia que Amin foi visitar o povoado em que Nicholas trabalhava junto com o médico David ( Adam Kotz ) e sua mulher Sarah ( Gillian Anderson ), ele acabou ajudando o presidente num acidente à beira da estrada e assim, conquistou a simpatia dele.Amin era apaixonado pela Escócia, terra natal do médico e se auto intitulava "o último rei da escócia".

Alguns dias depois,Nicholas recebe uma proposta de Amin para ser seu médico particular e para trabalhar num hospital em Kampala ( capital da Uganda ),enquanto o presidente ou sua família não precisasse de seus cuidados.

Deslumbrado com a proposta e cego pelo carisma e simpatia de Amin, Nicholas aceita a oferta.Porém com o passar do tempo, Nicholas acaba virando um assessor de Amin, o representando em reuniões importantes e inclusive lhe dizendo o que fazer e o que não.


Como disse, a vida não é um mar de rosas,e Amin vai revelando aos poucos sua verdadeira face.E ainda por cima, Nicholas se apaixona por Kay ( Kerry Washington ) um das esposas de Amin - ele tinha três! - e o ditador acaba descobrindo tudo.


A partir daí, ação de tirar o fôlego.Mas por favor, não achem que essa ação é do tipo descerebrada de Carga Explosiva, que só consiste em tiroteios e explosões que ninguém faz o favor de explicar da onde vieram.A trama é um quebra cabeças no qual o espectador tem que montar as peças para acompanhar o desenrolar da história.Mas em momento algum o filme se torna monótono,pois sempre há um elemento relevante em cena.

Se tratando de interpretações, meus sinceros elogios a Forest Whitaker.Poucos atores incorporam um personagem como ele fez, fora a semelhança física com o verdadeiro Idi Amin, que é mostrado no final do filme.Ao mesmo tempo sanguinário e simpático,Forest foge daquele tipo de vilão que é mau o tempo inteiro.Principalmente no começo do filme, o público se simpatiza com ele facilmente, o que aumenta a raiva e indignação quando ele mostra quem era de verdade, tanto para o público quanto para Nicholas.


Outro ponto que gostaria de ressaltar é que O Último Rei da Escócia não é só Forest Whitaker.
Muitas pessoas só sabem falar de Forest, de sua interpretação, de sua premiação no Oscar ( Melhor Ator - 2007 ) e etc.Mas convenhamos, O Último Rei.. não teria parte de sua força sem o talento de James McAvoy.Sabendo oscilar entre a calma , medo e desespero James trabalha muito bem no filme, não ficando muito atrás de Forest.Em nenhum momento um se sobressai ao outro.A versatilidade dele está comprovada quando vemos um Nicholas, deslumbrado com tudo o que Amin lhe proporcionou - dinheiro,carro e festas glamourosas - e depois outro, quando viu o quem o presidente era de verdade, depois de fazer um das suas burradas -se envolver com uma das mulheres de Amin - e o quão estava desesperado e querendo fugir de Uganda de qualquer jeito.Entre os coadjuvantes, destaco Kerry Washington.Simples e simpática, sua Kay é uma mulher carente e triste por ser a terceira mulher de Amin, a qual ele não dá a mínima atenção.Enquanto ao restante, ninguém compromete,mas também é o de sempre.

Só para constar nessa resenha, Idi Amin Dada foi destituído do poder em 11 de abril de 1979.Depois, fugiu para a Líbia da onde foi expulso e só recebeu asilo político da Arábia Saudita, onde passou o restante de sua vida.Morreu em Jidá no dia 16 de agosto de 2003.Realmente vaso ruim não quebra tão fácil.

Nota:10

3 comentários:

  1. Altamente recomendado, atuação brilhante de Withaker juntamente com McAvoy que se mostrou interpretar a nível do primeiro sem inferioridade em cena alguma. Enredo de primeira linha. Soube conciliar roteiro, direção e elenco ao mesmo patarmar. Particularmente, penso que seja um filme que não atrai pela capa, mas analisando o conteúdo, logo percebe-se que um grande obra! Grande resenha, parabéns!

    Fernando Kusakariba.
    http://cineinterativo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. òtima escolha para a resenha...adorei esse filme também, quando assisti fiquei mto surpreso, naum parece ser tão bom qnto é!! McAvoy e Withaker estão fantásticos msm!!!

    ResponderExcluir
  3. Achei o máximo esse filme e só tinha visto McAvoy em O Procurado e nem vi grande coisa ( até pq o filme em questão não permite o ator a aprofundar sua interpretação ) mas depois de O Último Rei da Escócia eu até procurei Desejo e Reparação, que também é um ótimo filme!

    ResponderExcluir