quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Crítica: Jersey Boys - Em Busca da Música (Jersey Boys, 2014)

Desde quando li as primeiras notícias sobre o musical que Clint Eastwood dirigiria, tive meus receios. O veterano que já realizou grandes obras resolveu arriscar no gênero que é tão improvável em sua carreira, tão distante daquilo que ele construiu até aqui. E esta é a beleza de "Jersey Boys", esta é a beleza de seu mais novo trabalho, se arrisca e nos presenteia com este filme que é tão diferente, não um mero musical, é um drama competente, um filme digno de Eastwood.

por Fernando Labanca

Baseado no musical da Broadway, "Jersey Boys" revela a trajetória da banda Four Seasons, que fez sucesso nos anos 60. Descobrimos como os quatro membros, Frankie Valli (John Lloyd Young), Tommy DeVitto (Vincent Piazza), Bob Gaudio (Erich Bergen) e Nick Massi (Michael Lomenda) se reuniram para a formação do grupo. Frankie, desde jovem, foi conhecido em seu bairro por seu talento na música, chamando atenção, inclusive, do mafioso Gyp DeCarlo (Christopher Walker), com quem Frank jamais acreditou precisar, até que anos depois, com o sucesso de sua banda, os dois se reencontram devido às grandes dívidas criadas por Tommy. "Jersey Boys" é sobre como o grupo conheceu a fama, mas também sobre como eles conheceram a decadência, parte pelo temperamento difícil e das irresponsabilidades de Tommy DeVitto, mas principalmente, pela busca de cada um, seguindo seus interesses pessoais.


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Crítica: Sob a Pele (Under the Skin, 2013)

Novo longa dirigido por Jonathan Glazer (Reencarnação, 2004), fez bastante burburinho há alguns meses atrás quando imagens da atriz Scarlett Johansson nua apareceram na internet. Infelizmente, sei que grande parte do público foi atrás da obra por causa de sua presença, o que provavelmente saíram bem frustrados. Não se trata de algo comum na carreira de Johansson, é um sci-fi extremamente original que se difere e muito do é lançado. Evocando o cinema de Stanley Kubrick, o que vemos é uma obra nada convencional, que possui cenas inquietantes, visualmente chocantes.

por Fernando Labanca

Penso que um dos grandes erros da divulgação de "Sob a Pele" foi logo em sua sinopse. Em todos os sites já nos entregam o fato da protagonista ser uma alienígena. É uma pena. Este detalhe poderia ser a grande surpresa de seu final e durante sua projeção, esta dúvida no público poderia ter sido a grande força da obra. Infelizmente, começamos o filme já sabendo disso, pois sim, Scarlett Johansson interpreta uma alienígena que perambula pelas ruas da Escócia a procura de uma presa, homens livres e de boa aparência, para se alimentar, sem lamentar, com a frieza de um serial killer. Tudo muda quando se depara com um homem incomum. É então que começa a se sentir mais humana, e como consequência disso, se torna mais frágil.


sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Crítica: Planeta dos Macacos - O Confronto (Dawn of The Planet of the Apes, 2014)

Continuação da obra de 2011, desta vez sob a direção de Matt Reeves (Cloverfield, Deixe-me Entrar), o filme surpreende, não só por ser melhor que o primeiro - que já era ótimo - mas por ir muito além do que esperamos de uma sequência. É um blockbuster que se difere de tudo o que tem se produzido em Hollywood, mais do que efeitos especiais de qualidade, o que vemos é algo impactante, um roteiro bem elaborado, que finalmente consegue construir personagens marcantes, que nos prende e nos faz sentir diversas sensações. "O Confronto" chegou aos cinemas sem muitas pretensões e acabou se firmando com umas das melhores surpresas do ano, que diverte sem jamais subestimar seu público. 

por Fernando Labanca

Dez anos depois dos acontecimentos do primeiro filme, o vírus criado no laboratório se espalhou pelo mundo e devastou grande parte da população devido à conhecida "gripe símia". Os macacos, liderados por César, convivem em harmonia numa floresta próxima à San Francisco. Eis que um grupo de sobreviventes surge no local, decididos a reativar uma antiga usina para levar energia para o resto dos humanos. Com isso, ele passam a conviver com os símios, construindo uma relação de confiança. Os conflitos começam a surgir quando nem todos os humanos acreditam no estranho clima amistoso daquela comunidade, e nem todos os macacos acreditam que aquelas pessoas sejam capazes de criar alguma relação pacífica, sem a intenção de uma batalha por território. Assim pensa Koba, um dos símios, que não aceita a amizade de César com os sobreviventes e não aceita que humanos invadam seu espaço, sempre acreditando que para a evolução de uma raça seria necessário a extinção da outra.