segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Crítica: Star Trek (2009)

Star Trek, uma das criações mais influentes da história do cinema, uma ficção científica que marcou gerações. Criada em 1966 em uma série de televisão, a história já serviu de base para mais cinco seriados e onze filmes. A resenha agora nada mais é que sobre o décimo primeiro longa que estreou ano passado e teve 4 indicações ao Oscar 2010!

por Fernando Labanca

Intitulado apenas de Star Trek, o filme se baseia nos personagens originais criados em 66 por Gene Roddenberry. Dirigido por JJ Abrams, o filme tem o intuito de nos mostrar o início desta longa saga, ou seja, não se trata de um "remake", é simplesmente um novo começo, com argumentos originais.

O filme já começa com uma grande batalha, o vilão e romulano Nero (Eric Bana) vindo diretamente do futuro, cria uma guerra atrás de um grande inimigo, Capitão Spock, mas desta guerra, acaba tendo consequências trágicas, como a morte do capitão George Kirk, que entregou sua vida para salvar milhares, virou uma lenda.



Muitos anos depois, com a nave USS Enterprise recrutando novos tripulantes para missões espaciais, há a chegada de jovens inspirados, com a telentosa Uhura (Zoe Saldana) e Spock (Zachary Quinto), um ser meio humano e meio vulcaniano que desde criança sofreu preconceito por suas origens e desde sempre aprendeu a ser forte psicologicamente e por isso não consegue transmitir sentimentos. Ainda há a chegada de James T.Kirk (Chris Pine), um jovem viciado em adrenalina, que sempre se depara em briga nos bares, até que o capitão da Enterprise, Christopher Pike, o incentiva a seguir o rumo de seu pai, George, que muito fez pela Federação e acredita que James é a nova salvação. E com a ajuda de um amigo, Leonard McCoy (Karl Urban), também novo tripulante, James acaba parando na nave. Tendo Spock como comandante, entre outros tripulantes, a USS Entrepise embarca numa grande missão, a investigação de uma misteriosa tempestade magnética.

Lembrando do histórico do pai, James, menosprezado pelos demais, percebe que tudo isso nada mais é que uma armadilha de Nero. Durante 25 anos, Nero esperou por Spock e começa a tramar seu grande plano de captura, a vingança de algo que no presente nem chegou a acontecer. Exilado por mau comportamento, James T.Kirk se depara com o impossível, diretamente do futuro, Spock (Leonard Nimoy, da série original) o prova o caos que o futuro lhes espera, e que só ele poderá salvar a vida dos demais. Ele cometeu um erro no futuro e voltou para reparar os danos. A partir de então, James volta, enfrentando a inimizade de Spock e tentando impedir que os mesmo erros aconteçam.



Enfim, o filme ainda reserva muitas outras surpresas que prefiro não comentar pra não estragar as inúmeras novidades deste novo Star Trek. Viagens para futuro, seres de outros planetas, monstros de outros planetas, batalhas visualmente belíssimas e sequências arrebatadoras, personagens inteligentes e muito bem desenvolvidos, diálogos espertos e bem escritos. Ou seja, difícil é achar um defeito para esta mega produção, que me pegou de surpresa, sinceramente não esperava muita coisa.

Um filme feito, não só para os fãs, mas também para aqueles que nunca se sentiram envolvidos com a saga, assim como eu, mesmo aqueles que nunca viram nenhum filme e nenhum episódio de nenhuma série, não irá se sentir perdido. E para aqueles que já viram, ainda estarão diante de algo novo. E este é o triunfo de Star Trek, por conseguir inovar aquilo que já estava fadado ao esquecimento, aquilo que há muitos anos deixou de ser novidade, um caso raro de resgatar algo do passado e ser tão bom quanto, ou quem sabe, até melhor.

JJ Abrams surpreende, Star Trek é um filme poderoso, extremamente bem cuidado, os efeitos especiais são ótimos, ajudado pela ótima fotografia e ainda temos uma trilha sonora empolgante muito bem utilizada. Vencedor do Oscar deste ano por Melhor Maquiagem, merecidamente, logo que fez Eric Bana estar irreconhecível. Aliás, Eric Bana é outra surpresa do longa, excelente como vilão, os outros também estão ótimos em cena, Chris Pine também surpreende, assim como Zachary Quinto que desenvolve um personagem interessantíssimo. Zoe Saldana sempre bela e compenetrada em cena, ainda temos Simon Peg, com seu humor britânico, divertindo fácil.

Ou seja, imperdível! Mesmo quem nunca suportou essa invenção, não deixe de assistir, um filme único, maravilhosamente bem feito. Hipnotizante, inteligente, ágil, dinâmico, divertido, incrível como pouquíssimas ficções científicas, deixa os "novos" episódios de Star Wars no chinelo!


NOTA: 9,5




















Trailer Star Trek - Legendado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário #NuncaTePediNada