sexta-feira, 27 de abril de 2012

Crítica: Shame (Shame, 2011)

"Shame" entrou para a lista dos ignorados no Oscar 2012. Trás para as telas, pela direção de Steve McQueen, a conturbada rotina de um homem viciado em sexo. Acredito que a temática o tenha afastado das grandes premiações, logo que vemos um grande filme, ousado em sua proposta e se mostra para o público sem medo de assustar ou criar polêmicas, além de ter em cena dois grandes atores em belíssimas performances, Michael Fassbender e Carey Mulligan.

por Fernando Labanca

Conhecemos Brandon (Fassbender), aparentemente um homem comum, trabalhador que vive em Nova York e mora sozinho em seu apartamento. Entretanto, por de trás desta fachada, existe seu segredo. O seu vício. O sexo. A louca obsessão que ele tem por sexo. Faz por prazer e nunca por amor, tem uma eterna sede de se relacionar com alguém, não importa quem e nem quando. Tem problemas em seu computador pelos virus recebido ao entrar em sites pornográficos, não perde tempo em se masturbar nas horas vagas e em sua vida noturna, vai atrás de sua caça.

Tudo muda com a chegada de sua irmã, Sissy (Carey Mulligan). Ela é suicida, sente um eterno vazio em sua vida e nunca encontra algo para preencher. Passa a conviver diariamente no mesmo apartamento que Brandon, sem planos para ir embora e assim, ele se depara com a invasão de sua suja privacidade, Sissy passa a interferir em sua rotina e abala completamente seu mundo de sexo, pornografia e estranhas obsessões, o fazendo ir ainda mais fundo em sua loucura, se tornando vítima de seu próprio vício.

"Shame" é provocador. É agressivo. É ousado. É o típico filme para se ver sozinho, admirar em sua privacidade. É quase que constrangedor dividí-lo com alguém. Há inúmeras cenas de nudez e sexo e isso pode incomodar os mais conservadores. Por outro lado, elas aparecem com intuito, com propósito, não é obsceno e muito menos apelativo, faz parte da proposta, que aliás, o roteiro, também assinado por McQueen, consegue com competência nos mostrar este universo de Brandon, entramos neste mundo sujo, vivenciamos naqueles minutos a intensidade daquela rotina. A nudez, por sua vez, surge naturalmente, sem querer ser sensual, apenas abre a porta daquele simples apartamento e vemos aquelas personagens em seus cotidianos. E assim, "Shame", foge completamente do convencional, além da trama um tanto quanto inovadora, a maneira como McQueen guia este roteiro é tão fascinante, prende a atenção mesmo quando nada acontece. E apesar da tal agressividade, o longa também consegue ser sensível, de forma sempre madura, há cenas deliciosas de puro diálogo, por vezes cômicas, outras, dramáticas. Como por exemplo, o divertido relacionamento entre os irmãos, que ocorre de forma simples e extremamente espontânea. 

Por outro lado, este roteiro apresenta suas falhas. O filme despe suas personagens, mas isso, infelizmente, não ocorre de forma literal. Apesar de conhecermos a privacidade de Sissy e Brandon, nunca sabemos ao certo quem eles são. O que a irmã faz no apartamento dele, qual a causa de sua depressão e talvez o mais intrigante, o que realmente existia entre os dois. A relação dos irmãos causa um certo estranhamento, a liberdade que um tem com o outro, a raiva que sentem entre eles, e por vezes há algo que remete a uma relação incestuosa, desde a aproximação quase que carnal e o ciúmes que surge em uma das cenas, além do repentino momento de choro de Brandon ao ver Sissy cantar, mesmo ele sendo tão insensível. Enfim, acontece que a história ocorre e ficamos que a parte de tudo, nunca sabemos o que de fato está acontecendo, justamente por não termos a chance de conhecermos as personagens ali retratadas. O filme nos faz acreditar que entramos na mais intima privacidade de Brandon, que conhecemos seus mais profundos segredos, mas não, em nenhum momento isso ocorre e quando acaba fica um certo sentimento de vazio. 

O grande destaque de "Shame", sem sombra de dúvida, é sua dupla de atores. Michael Fassbender é novo queridinho de Hollywood e a cada filme que faz prova o porquê. É um ótimo ator, dá um show na tela, se mostra confortável num papel difícil que exige muito mais que uma grande atuação. Seu momento mais marcante é exatamente no clímax do filme, ao transar com mais de uma mulher, numa cena cheia de cortes e desfoques, e é no olhar de Fassbender que nos prendemos, há um certo pedido de desculpas pela vergonha de sua vida, há um olhar desesperado que pede por ajuda, é simplesmente impactante. Carey Mulligan é uma coadjuvante de ouro, brilha de forma intensa, tem carisma e consegue criar uma personagem bem diferente do que a atriz já fez no cinema, desde suas expressões, seu jeito de agir e de falar, é uma outra mulher. Acredito que Muligan tenha conseguido com Sissy chegar a um outro patamar, é, definitivamente, uma atriz completa, que se entrega de forma ousada e espanta por sua incrível performance. E acredito que Steve McQueen tenha exposto no filme o melhor dos dois.

"Shame" apesar de ser um belo e ousado projeto, não chega a ser uma obra tão inesquecível e importante no cinema. Ser ignorado no Oscar, pode ter sido por esta tal ousadia, por não ser convencional, por ser completamente diferente do que a Academia está acostumada a premiar, entretanto, houve filmes muito mais completos entre os indicados. Porque "Shame" não é um filme completo, tem inúmeras qualidades, mas faltou alguns elementos para ter se tornado excelente. Acredito também que o roteiro tenha se esquivado de conflitos mais intensos, como seu final que acreditamos que enfim algo extremamente chocante aconteceria e não acontece, continua na mesma. Acaba que o filme dá uma volta, cheia de idéias, de cenas ousadas, de pura originalidade, mas volta ao ponto zero e termina da mesma forma que começou. Pois nada é revelado, nada é alterado, nada é concluído. Destaque para os grande atores, pela direção de McQueen e pela belíssima trilha sonora que eleva a qualidade da obra. No geral, um filme interessante e atraente, que possui seus erros, mas ainda assim prende a atenção, hipnotiza, que consegue provocar em seu público, sentimentos fortes que muitas vezes geram a emoção. Vale a pena conferir.

NOTA: 7,5


2 comentários:

  1. O FILME POSSUI CENAS FORTES. TAMBÉM DEIXA MUITAS PERGUNTAS NÃO RESPONDIDAS.

    ResponderExcluir
  2. As questões aparentemente não abordadas no filme são os pontos em que de fato as mais relevantes lições são apresentadas. A não justificativa sobre o que levou os irmãos a possuírem tais comportamentos somente serve para explicar que isso realmente não é importante. O inferno que os compulsivos passam são, em si, complexos demais para se procurar essas justificativas. Conviver com a compulsão é que é o verdadeiro desafio. Quanto ao filme dá uma volta e acabar da mesma forma que começou, isso, pelo menos no meu ponto de vista, é um desfecho mais do que chocante e inesperado. Como é que mesmo depois de tantos fatos e de se passar por tantas desventuras alguém simplesmente faria tudo novamente ? Do ponto de vista das pessoas normais isso é sem graça, mas para um compulsivo essa é a triste realidade. Esse ciclo de sofrimento, dor, angustia se repete indefinidamente. Precisava de algo mais chocante do que isso para finalizar o filme ?

    ResponderExcluir

Deixe um comentário #NuncaTePediNada