segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Comentário sobre o Oscar 2009

por Fernando

O tão esperado Oscar foi exibido ontem (22/02/09), infelizmente apenas na Tv fechada, apesar de ter um contrato com a Rede Globo, a emissora preferiu exibir o desfile das escolas de samba (!!)...óbvio, por questão de ter mais audiência que uma "mera entrega de prêmios".

Deixando essa parte de lado, vamos ao que interessa...o Oscar 2009 não surpreendeu em muita coisa, até porque já foram entregues outros prêmios importantes como o Globo de Ouro e o Bafta, e os vencedores do Oscar não foi nada a mais do que uma mescla dos vencedores de cada prêmio anterior.

As surpresas ficaram para os prêmios menores, como Documentário Curta e Longa, que nunca se sabe ao certo quem ganha. Outra surpresa foi o Japão arrebatar o prêmio de melhor filme Estrangeiro, com Departures.

E digamos, que não foi um prêmio tão justo quanto o do ano passado, onde não houve nenhum grande premiado, o grande favorito. Onde os Fracos Não têm Vez ganhou os prêmios mais importantes, mas não foi o grande vencedor da festa, os prêmios foram bem dividos. Quem Quer Ser Um Milionário? (ainda não vi), aparentemente deve ser um grande filme, mas 8 Oscars é muita coisa, entretanto, vindo do Oscar que já deu 11 prêmios à Titanic e Senhor dos Anéis, isso não é tanta surpresa.

Quem Quer Ser Um Milionário? (aparentemente) mereceu os prêmios que venceu, no entanto, concorria com outras excelentes produções. Ter ganhado o Oscar de melhor mixagem de som, foi com certeza, o grande exagero, ainda porque concorria ao lado da obra-prima WALL.E, que trabalha com o som magnificamente. Não deu outro, Quem Quer Ser Milionário foi o grande vencedor da noite!

O Curioso Caso de Benjamin Button recebeu prêmios justos, como o de maquiagem, direção de arte e efeitos visuais. WALLE, sem surpresas ganhou o de melhor animação, Bolt era um forte concorrente, mas não havia possibilidades de ganhar.





Batman - O Caveleiro das Trevas, teve 8 indicações (um número muito alto para uma adaptação de herói) e por isso fez sua parte no Oscar, marcou história, mas levou 2 estatuetas para casa, dois prêmios mais do que merecidos, ao magnífico Heath Ledger e seu Coringa e edição de Som.

A Duquesa venceu sua única indicação, as roupas que vestiam a bela Keira Knightley fez bonito na cerimônia e ganhou o de melhor Figurino.

Roteiro Adaptado ficou com Quem Quer Ser um Milionário, que também arrebatou o de Melhor Diretor para Danny Boyle, Fotografia, Trilha Sonora e Canção Original, além dos que já fora ditos. Roteiro Original ficou com Milk - A Voz da Igualdade, que conta a história do primeiro homem assumidamente homossexual em um cargo público e sobre suas dificuldades no meio da polítca sendo quem ele é.



Mas o brilho ficou mesmo com os atores que ganharam a premiação. Kate Winslet finalmente ganhou um Oscar, merecidamente. Kate é uma excelente atriz, está em cartaz com dois filmes (O Leitor e Foi Apenas Um Sonho) e pelo jeito arregassa nos dois papéis, além da bela carreira da atriz que surpreende em tudo o que faz, seja numa comédia romântica como Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças e O Amor Não Tira Férias ou em dramas como Pecados Intimos.
Kate Winslet fez história no cinema norte-americano e é hoje umas das atrizes mais telentosas de sua geração.

Seann Penn ganhou seu segundo Oscar da carreira (o primeiro veio por Sobre Meninos e Lobos). Penn é outro grande ator e mereceu ganhar mais uma vez, sua atuação mais uma vez é surpreendente.





Heath Ledger, não poderia ter sido outro. Não foi uma surpresa, mas mesmo assim foi uma grande notícia. Coringa é uma personagem marcante, inesquecível, merecia o Oscar.







A bela Penélope Cruz finalmente conseguiu de vez marcar sua brilhante carreira nos estados unidos, finalmente seu talento foi recompensado. Sua Maria Elene em Vicky Cristina Barcelona é incrível, é difícil encontrar palavras para decifrar o que ela fez no filme, ela é brilhante, constrói uma personagem marcante, forte e intensa. Sem dúvidas, sua premiação foi uma das melhores da noite.

Os Vencedores do Oscar 2009

Melhor Filme
Quem Quer Ser Um Milionário?

Melhor Diretor
Danny Boyle (Quem Quer Ser Um Milionário?)

Melhor Atriz

Kate Winslet (O Leitor)

Melhor Ator

Sean Penn (Milk - A Voz da Igualdade)

Melhor Atriz Coadjuvante

Penélope Cruz (Vicky Cristina Barcelona)

Melhor Ator Coadjuvante

Heath Ledger (Batman - O Cavaleiro das Trevas)


Roteiro Original

Milk - A Voz da Igualdade

Roteiro Adaptado

Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Animação

WALL.e

Direção de Arte

O Curioso Caso de Benjamin Button

Fotografia
Quem Quer Ser Um Milionário?

Efeitos Visuais

O Curioso Caso de Benjamin Button

Dição de Som
Batman - O Cavaleiro das Trevas

Mixagem de Som

Quem Quer Ser Um Milionário?

Figurino

A Duquesa

Maquiagem

O Curioso Caso de Benjamin Button

Montagem

Quem Quer Ser Um Milionário?

Canção Original

Jai Ho (Quem Quer Ser Um Milionário?)

Filme Estrangeiro

Departures (Japão)

Documentário Curta

Smile Pinki

Documentário Longa

Man on Wire

Curta

Toyland

Curta de Animação
La Maison en Petits Cubes

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Dica de DVD: Efeito Dominó

Filme que chegou de fininho nos cinemas e conseguiu boa bilheteria, mas não alcançou o sucesso. Para quem esperava mais um filme de ação com o astro Jason Staham, acabou encontrando o trabalho mais sério do ator, e de longe, o melhor!
Mas seus admiradores com certeza não se decepcionarão, pois o filme é tão ágil quanto os outros do ator, mas o longa vai mais além, mostrando com competência uma história incrível baseada em fatos reais, com pitadas de humor e ótimas atuações.

por Fernando

Na década de 70 houve um assalto a um famoso banco da Inglaterra, mas misteriosamente esse assunto foi abafado pela polícia e os criminosos sairam ilesos, e até hoje não se sabe ao certo o que na verdade ocorreu. Por que um escândalo como esse foi simplesmente esquecido? Algumas teorias de conspiração foram lançadas, e Efeito Dominó expõe uma delas. O escândalo não foi resolvido, e para aproveitar esse espaço vago no ocorrido, lançaram uma história bem arquitetada, uma possível resposta para o acontecido.

Terry é um bandido dem discreto, leva sua vida trabalhando para sustentar sua família, até que uma grande oportunidade surge para ele, sua bela amiga Martine Love, uma trapaceira de peimeira, descobre que o grande banco de Londres estará sem alarmes durante uma semana e propõe a ele o grande assalto de sua vida, essa era a grande chance dele conseguir o dinheiro que ele não conseguiria durante anos. Terry, então, junta seus melhores amigos para armarem um plano bem feito e salvar a vida de todos, eles decidem abrir um túnel e entrar por baixo, entrando exatamente onde estaria o cofre do banco.

Seria uma história interessante se parasse por aí, mas o filme vai mais longe, e expõe o que está por de trás desse caso. Martine Love sabia disso, pois mantinha um "caso" com o ministro da segurança, que por sua vez pretendia arranjar um jeito de retirar do cofre do mesmo banco fotos escandolosas que acabaria com a Monarquia do país (nessas fotos, a princesa mantinha relações sexuais com outras pessoas), e essas imagens estava nas mãos da pessoa errada, um bandido da pior espécie que manipulava o governo com elas, ele roubava na cara dura e nunca era preso. O Governo, por sua vez, teria então de conseguir essa fotos, abafar o caso da princesa e enfim prender o criminoso, Martine Love era só a isca perfeita.

A bela manipula a todos para conseguir as fotos, se junta ao grupo de bandidos, e todos perfuram um grande túnel, o plano tem algumas falhas, mas ele sai perfeito, Terry e sua equipe chegam ao cofre, conseguem roubar milhões de libras. Eles fogem com todo o dinheiro, jóias, e tudo de mais valioso que havia no banco, nada escapa, entretanto, a polícia descobre, e a partir de então começa uma perseguição perigosa entre os polícia e bandidos.

Porém, naquele banco havia mais do que só dinheiro, havia fotos que denunciavam a monarquia, havia um diário que denunciava a todos os políticos corruptos da cidade. Ninguém que tinha seus pertences no banco tiveram a coragem de voltar para tentar resgatá-los. O banco não sabia o que procurar, pois não sabia o que tinha, pois ninguém tinha corangem de revelar.

Logo, com tantos escândalos que haviam naquele banco, os bandidos passam a ser os menos culpados e com isso, a imprenssa vai abafando cada vez mais o caso. No entanto, por de trás de todo esse silêncio, a equipe de Terry é aos poucos perseguida, mas eles tinham em mãos tudo que poderia evitar que eles fossem presos, e quando eles se dão conta de tudo o que eles conseguiram, começam a chantagiar o próprio governo para deixarem eles em paz.

Efeito Dominó conta uma história surpreendente, nunca se sabe ao certo o que realmente irá acontecer. O roteiro é brilhante, e se tivesse nas mãos do diretor errado poderia até se tornar confuso, mas felizmente, Roger Donaldson dirige com maestria o longa, cada cena, cada diálogo é feita com tanta competência, que é impossível não se envolver com a história e com as personagens.

Jason Statham, como já foi dito, realiza seu melhor trabalho até então. No filme inteiro, só há uma cena de luta com ele, até porque o filme tem tantas outras coisas para dizer, que não precisa em nunhum momento apelar para a violência para entreter o público, a história em si já faz isso, com muito dinamismo e agilidade. Ele constrói uma personagem interessante, Terry é inteligente, esperto, é um bandido, mas tem alma, ama sua esposa e faz tudo isso por ela.

As personagens secundárias são totalmente interpretadas por atores desconhecidos, mas muito competentes e talentosos. Destaque para a bela Saffron Burrows, que interpreta Martine Love, aperece no longa como se fosse mais uma modelinho atuando, mas surpreende assim como todo o elenco. As cenas com Terry e seus amigos "bandidos" são ótimas, todos interpretam com tanta naturalidade que parece que se conhecem há anos. Os diálogos do filme são espertos, e ás vezes engraçados, apesar de se tratar de uma história séria, o filme não perde a piada e mesmo assim não perde o grande estilo.

Além de tudo isso, o filme capricha na parte técnica, boas localizações, cenários, trilha sonora e figurinos, retratando com fidelidade a época em que ocorreu a história.

Efeito Dominó é ágil, dinânico, inteligente e surpreendente, um filme estiloso e original que merece ser visto e apreciado.

NOTA: 9.5

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Crítica: Sim Senhor


Londe das comédias desde 2005, com As Loucuras de Dick & Jane, Jim Carrey voltou em grande estilo com Sim Senhor. Simples e engraçado e com outras características que fazem desse filme ter tudo para ser um grande sucesso, assim como suas outras comédias.

por Fernando

Dirigido por Peyton Reed (Separados Pelo Casamento), o filme conta a história de Carl Allen (Jim Carrey), um cara que vive sózinho desde que sua "ex" o largou e passa seus dias na mesma rotina, trabalhando em uma empresa de empréstimos há cinco anos e desde então nunca teve uma promoção e ele nem batalha para isso acontecer. Se recusa a todos os convites possíveis de seus amigos, prefere viver sua vida longe de tudo e de todos, sem se arriscar.

Até que um dia resolve, seguindo um conselho de um amigo maluco que vive se aventurando e aceitando todas as oportunidades da vida, a ir em uma palestra de auto-ajuda que tem como intuito mostrar às pessoas as vantagens de se dizer SIM, sim à vida, sim à si mesmo, aceitar tudo o que é novo, tudo o que lhe é proposto. A partir desta palestra, a vida de Carl muda, ele passa a viver com essa filosofia de dizer "sim" e passa a se arriscar, vivendo as maiores loucuras, fazendo tudo aquilo que antes ele negava. E nesse novo estilo de vida, ele acaba conhecendo Allison (Zooey Deschanel), uma destrambelhada que vive seus dias ao seu modo, sem seguir às regras que é imposto pela sociedade, como fazer uma faculdade, ter um bom emprego e criar uma família. Ela se aventura e vive a vida como Carl sempre teve medo de viver.

Carl, então, passa a fazer de tudo, aprende a tocar violão, a falar coreano, aprende a pilotar avião, pula de bungee jump, vai às festas a fantasia realizadas pelo chefe, vai às baladas com seus amigos e planeja o chá de casamento deles. E junto com Allison eles vão se aventurar nas situações mais arriscadas. Até que eles se apaixonam e ele se entega completamente a esse relaciomento somente para realizar o pacto que fez a si mesmo, dizer sim a tudo, inclusive a ela. O problema fica quando ela descobre que tudo o que ele havia feito e aceitado, fazia parte de um pacto, e que não estava sendo verdadeiro, e para piorar, Carl acaba passando dos limites, aceitando tudo, e suas atitudes inusitadas acabam virando caso de FBI.

Jim Carrey está ótimo, faz suas expressões cômicas que tanto agradam o público. E como todo filme que ele faz, ele se entrega completamente a personagem, faz de tudo para arrancar o riso das pessoas, e consegue. Ele parece não ter vergonha de nada e está super a vontade em cena, atuando com naturalidade. Sua parceria com Zooey Deschanel funciona, a química entre eles é ótima. Aliás, ela por sua vez, encanta com sua Allison, faz uma personagem bem superior do que fez em Fim dos Tempos, não que ela seja uma grande atriz, mas, vê-la em cena é muito agradável, e provou que é ótima nas comédias, e nesse filme, ela se encaixou perfeitamente, ela é divertida e carismática.

Sim Senhor não é a melhor comédia de Jim Carrey, mas mesmo assim, não deixa de ser agradável e é muito superior a muita comédia feita em Hollywood. É um filme completamente despretencioso, simples, não apela para palavrões ou coisas nojentas, como arrotos. É simplesmente divertido, vale a pena parar para assistí-lo.

A direção de Peyton Reed não inova em muita coisa, assim como o roteiro. Mas o filme tem seus bons momentos, exitem bons diálogos em determinadas cenas. A trilha sonora é um grande ponto positivo do filme e até mesmo Zooey Deschanel empresta sua voz para algumas canções do filme, que aliás, são ótimas.

Dizer SIM é algo tão fácil mas que nem todo mundo tem a capacidade de dizer, e Sim Senhor prova que dizer SIM muitas vezes é melhor do que dizer NÃO, tanta coisa muda na vida da personagem simplesmente por dizer uma palavra. E na vida real não é tão diferente, deixar que a vida aconteça, se arriscar em situações que achamos que pode dar tudo errado pode ter suas vantagens. Mas Sim Senhor não vem aos cinemas para dar uma lição de moral e mudar a vida de ninguém, o intuito do filme é divertir, mas mesmo assim, é possível levar grandes lições para casa.

Nota: 8

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Dica de DVD: Quebrando a Banca

Inspirado em uma história real, Quebrando a Banca surpreende do ínicio ao fim. Dirigido por Robert Luketic (Legalmente Loira), ele faz um longa envolvente e muito cativante que conta com astros como Kevin Spacey e Laurence Fishburne no elenco, além de Jim Sturgess e a bela Kate Bosworth.

por Fernando

O filme conta a história de Ben Campbell, um jovem superdotado e craque em matemática e estatísticas que estuda no MIT e tem como grande sonho estudar medicina em Harward, porém o curso custo ao todo 300 mil, dinheiro impossível de se conquistar trabalhando em uma loja de roupas ao lado de seus amigos "nerds". Ben então decide ir atrás de uma bolsa de estudos, já que tem um currículo invejável e tem pouca condição financeira de bancar a universidade, entretanto, muitos jovens se candidatam para essa bolsa e têm currículos tão bons quanto o dele, a diferença fica na experiência de vida de cada um. Para desespero de Ben, que é o típico "loser" do MIT e não vive muitas aventuras.

Sua sorte muda quando o professor de matemátoca, Mickey Rosa (Kevin Spacey) começa a perceber o quão inteligente ele é e o recruta para um grupo especial de alunos. Eles se reúnem em uma das salas sem que ninguém percebesse do que realmente se tratava, são jovens superdotados como ele e que usam a inteligência para ganhar o jogo Black Jack (21) nas noites em Las Vegas durante os finais de semana. São liderados por Rosa e com isso ganham muito dinheiro, mais do que qualquer trabalho pudesse pagar. Ben, se recusa no ínico, mas logo percebe que essa é sua única chance, mas deixa claro que deixaria o jogo quando ganhasse o que queria, os 300 mil.

Dente os alunos, está a bela Jill (Kate Bosworth), garota que ele sempre desejou no curso, mas sempre foi muito tímido e nunca conseguia a sua atenção. E junto com ela e os outros três alunos, eles vão para Las Vegas "quebrar a banca" dos mais mais famosos cassinos, é um jogo todo planejado, não há sorte, são muito bem treinados, e usam palavras e códigos para assim vencerem sem que ninguém percebesse, já que estão todos disfarçados, com um novo visual a cada noite e com identidades falsas. Porém, nada será tão fácil assim, Cole Williams (Laurence Fishburne) trabalha por trás desses cassinos e pretende fazer um trabalho mais que eficiente desmascarando todos os golpistas que estão acabando com o dinheiro deles.

Por outro lado, Ben percebe que vai ganhar o dinheiro, mente para sua mãe que ganhou a bolsa e sempre arranja uma desculpa para ela e para seus melhores amigos para sumir durante os finais de semana. Em sua cidade, no MIT, ao lado de seus amigos, ele tem um grande segredo, mas em Las Vegas, como Jill disse uma vez, ele pode ser quem ele quer, fazer o que ele quiser, gastar o dinheiro como ele quiser, aproveitar a vida como ele nunca havia aproveitado antes e viver o romance que ele sempre sonhou em viver ao lado de Jill.

Quebrando a Banca segue a mesma linha de Onze Homens e Um Segredo, mas logo de ínicio percebemos que se trata de uma história completamente diferente. A direção é mais do que eficiente no longa, Robert Luketic prende o expectador da primeira cena à última, com um roteiro envolvente. O filme surpreende por parecer ser mais um filme sobre jogos em Las Vegas, mas não é, e este é um dos pontos positivos do longa, por não se prender ao jogo, mesmo aqueles (como eu) que não entende nada das regras do jogo mostrado não se sente perdido na história, pois o intuito do filme não é dar aulas sobre Black Jack e sim mostrar as aventuras dos jovens que se arriscaram para ganhar dinheiro, usando a inteligência e não a sorte.

Jim Sturgess é o grande destaque de Quebrando a Banca, é um dos atores mais jovens e mais talentosos de sua geração, ele se entrega a personagem e se envolve de uma maneira muito convincente. Kevin Spacey não faz nada do que já não tinha feito antes, assim como Laurence Fishburne. Mas Spacey não deixa de estar ótimo mesmo assim. Kate Bosworth está linda e dá um toque especial no longa.

A trilha sonora é excelente, assim como a fotografia, uma das mais belas que vi ultimamente. O filme vale muito a pena, é ótimo. É divertido e muito cativante. Assista!

Nota: 9