quinta-feira, 1 de julho de 2010

Crítica: Homem de Ferro 2 (Iron Man 2, 2010)

Sequência de Homem de Ferro, traz Jon Favreau mais uma vez na direção e Robert Downey Jr como Tony Stark. E ainda conta com um elenco de peso como Scarlett Johansson, Samuel L.Jackson e claro, Gwyneth Paltrow como Pepper Potts . E substituindo Terrence Howard, entra Don Cheadle como James Rhodes. E ainda o novo vilão...Ivan Vanko, interpretado por Mickey Rourke.

Um filme feito para diversão...e dinheiro, claro!!

por Fernando Labanca

Alguns meses depois, Tony Stark agora enfrenta novos problemas. Já é conhecido mundialmente como o "herói" Homem de Ferro e vive sua vida sob os privilégios da fama, mais festas, mais bebidas. Mantêm um relacionamente sério com sua assistente Pepper Potts e sempre conta com a ajuda de seu leal amigo, James Rhodes.

Depois de perceber que não se sente nada bem, descobre que o metal paládio no reator "arc" em seu peito e que o mantêm vivo o está envenenando e começa a refletir se esta nova forma de vida vai durar muito tempo. É quando começa a tomar novas providências, como sair do camando das Indústrias Stark e nomeia sua assistente como nova presidente. Para substituí-la, Pepper contrata Natalie Rushman (Johansson).

E para piorar, o senado americano manda Tony Stark entregar sua tecnologia, diga-se de passagem, super avançada, para o governo para fins militares, mas ele sempre se recusa. Até que em um momento de diversão, Tony participa de uma corrida de carros, o que ele não imaginava é que estaria perto de conhecer seu mais novo inimigo, e no meio do público inicia uma grande batalha, ele contra um ser misterioso com chicotes e muita força, mas ele falha e vai preso. Este é Ivan Vanko, construiu um reator "arc" para si mesmo e não se sabe como, mas ele sabe de toda a tecnologia de Stark. Eis que surge, o empresário bélico, Justin Hammer (Sam Rockwell), vai atrás de Vanko, o liberta, mas com uma condição, passar seus conhecimentos para uma indústria capaz de superar a tecnologia do Homem de Ferro. E Ivan, mais do que ninguém, quer destruí-lo, devido a problemas passados, envolvendo a morte de seu pai e toda a indústria Stark.

A partir de então, tudo muda. Pepper se torna a diretora responsável e autoritária e Justin Hammer, um homem capaz de tudo para destruir a carreira de Tony. E este, vendo o seu fim próximo, vai abandonando tudo, aos poucos, até que surge, seu amigo, James Rhodes e fica com sua armadura Mark II, se tornando uma espécie de Homem de Ferro, mais conhecido como Máquina de Combate. Também entra em ação, Nick Fury (Samuel L.Jackson), diretor da agência internacional S.H.I.E.L.D, onde ele monitora heróis, e revela a verdadeira identidade de sua atual assistente, Natalie, a verdadeira Viuva Negra.

Capaz de prender o público do primeiro ao último segundo, Homem de Ferro 2, é adrenalina pura. Não pára um minuto sequer, explosões, batalhas, boas sequências de lutas. Enfim, simplesmente hipnotizante. Tem muito mais ação que primeiro filme, mas nem por isso é melhor que o antecessor.

O primeiro, definitivamente, é melhor. Principalmente pelo roteiro, que é muito mais interessante, e talvez, porque antes era novidade. Agora, com a sequência, nada de muito novo surge, Jon Favreau usa das mesmas fórmulas que fora utilizada anteriormente, a única coisa que vai além é a ação e a aventura, só. O filme até que tenta, mas nada é tão novidade assim, até que tem uma história ali, outra história lá, mas a verdade, é que a maior parte da projeção é gastada com cenas de ação e muitos efeitos, que aliás, são ótimos. E ainda, o filme é muito forçado, tem cenas extremamente exageradas, coisas muito fora da realidade, como por exemplo, o excesso de tecnologia, onde todas as personagens tem total habilidade em manuseá-las, sem nenhuma dificuldade.

O elenco é bom, entretanto, as personagens, fracas. Robert Downey Jr. interpreta com capacidade Robert Downey Jr., mais uma vez, não inova em nada e seu Tony Stark chega ao ridículo em determinadas cenas, como a sequência onde ele faz uma dancinha grotesca, detalhe, com armadura de Homem de Ferro, patético. Gwyneth é linda, mas sua personagem se torna, digamos, insuportável. Mickey Rourke deu um passo atrás em sua carreira, depois do sucesso em O Lutador, faz uma personagem sem graça, e não consegue transmitir nenhum tipo de sentimento, nem ao menos, ódio, e se torna um vilão fraco e facilmente esquecido. Scarlett Johansson, é maravilhosa, linda mais uma vez em cena, faz uma das melhores sequências de luta do filme, porém, sua personagem, infelizmente, é pouco valorizada na trama, se tornando, uma mera coadjuvante. Don Cheadle, ótimo também, mas pouco aproveitado. Um pouco criticado pela mídia, pelo seu caricato vilão, Sam Rockwell, na minha opinião, tem uma ótima atuação, e desponta neste longa, como o oficial vilão de Homem de Ferro 2, logo que Ivan Vanko não consegue preencher essa função, é engraçado, versátil e muito carismático, talvez, a coisa mais nova e interessante que surgiu no filme.

Vale pela diversão, desligue completamente o cérebro, e se deixe levar pelos grandes momentos de ação. Vale o ingresso, mas não espere muita coisa, é inferior que o primeiro, que diferente dele, não usa da novidade e do bom roteiro para atrair atenção, e para isso, utiliza somente efeitos especiais.

NOTA
: 6,5




























Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário #NuncaTePediNada