quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Crítica: Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again, 2014)

John Carney é um musico irlandês que ganhou notoriedade no mundo do cinema ao dirigir o longa "Apenas Uma Vez" (2007), sucesso no Festival de Sundance e que acabou ganhando o Oscar de Canção Original. "Mesmo Se Nada Der Certo" marca seu retorno e chega com aquela expectativa sobre como seria seu novo trabalho, agora em Hollywood. A verdade é que a espera valeu muito a pena, trata-se de um filme encantador, que nos inunda de ótimas vibrações, que preenche a alma, que é tão bom e tão gostoso de ver que chega até ser um exagero. Com certeza, uma das experiências mais incríveis que tive no cinema este ano.

por Fernando Labanca

Gretta (Keira Knightley) é uma compositora que se muda para Nova York, ao lado de seu namorado (Adam Levine), um cantor em ascensão. Não demora muito até ela descobrir uma traição, culminando no fim do relacionamento e a deixando sem rumo nesta cidade que desconhece. Desiludida, busca abrigo com seu amigo e também cantor Steve (James Corden) que ganha a vida cantando em bares, onde, certa vez, a faz subir no palco e cantar uma de suas composições. É neste instante, que a vida de Gretta se depara com a vida de Dan (Mark Ruffalo), um fracassado produtor musical, recém demitido e sem planos futuros, que vê em sua voz uma chance de recomeçar. Juntos, decidem apostar na carreira musical de Gretta, e para gravar uma demo, montam uma banda aos improvisos, e passam a gravar uma canção em cada canto da cidade.


Impossível não fazer comparações com "Apenas Uma Vez", que de certa forma, parece ter servido de inspiração para a realização deste. O casal, a maneira como se unem através da música e a trama que tem como base a gravação de um álbum. Essas relações provam que a obra carece um pouco de autenticidade, além de ter parecido uma escolha bastante óbvia para a carreira de John Carney. Por outro lado, em nenhum momento isso passa a ser um incômodo, muito pelo contrário, a experiência de ver um trabalho do diretor continua sendo um prazer enorme, de uma beleza indescritível. Visualmente, é um filme bem diferente do anterior, o orçamento, desta vez, permitiu que o diretor realizasse uma obra maior, sem as limitações de "Once". Entretanto, o longa se destaca mesmo por não ignorar o charme e a simplicidade do cinema independente, ainda que se tratando de um filme Hollywoodiano, consegue através de seus bons personagens trazer aquele frescor e genuinidade tão raro em comédias românticas, é tudo muito bem construído e conduzido pelo roteiro, que ganha profundidade ao trazer indivíduos tão humanos, ambíguos e que guiam a trama para um final inesperado.

Outro grande acerto do longa foi na escolha de seu elenco. A verdade é que nunca vi Keira Knightley tão a vontade em cena, sempre gostei da atriz, sou sempre suspeito para elogiá-la, mas este é, com certeza, um dos momentos mais descompromissados de sua carreira e por isso, surpreendentemente, um de seus melhores momentos. Seu sorriso e seu carisma nunca chamaram tanta atenção como aqui, além de cantar muito bem. Mark Ruffalo acerta, mais uma vez, está ótimo e funciona muito bem ao lado de Keira. Os coadjuvantes são incríveis, James Corden, uma revelação e Hailee Steinfield, encantadora. Além deles, Catherine Keener e participações dos músicos CeeLo Green e Adam Levine, que não desaponta, mas também não surpreende. Os diálogos são muito bem escritos, bem inspirados e enaltecem esta atmosfera descontraída que a direção trás, realmente parecem improvisos e os atores se mostram bem naturais em cena. As canções são um show a parte, a balada folk composta para a obra funciona e tem uma qualidade notável, músicas como "Lost Stars" e "Tell Me If You Wanna Go Home" são boas e poderão ficar na mente.

"Mesmo Se Nada Der Certo" funciona também como uma crítica a atual indústria musical, e através de seu bom humor, diverte por suas ironias e sua coragem em mostrar que qualidade deveria ser mais importante que quantidade. O mais interessante da obra, porém, foi acompanhar esses personagens, que saem do fundo do poço e usam a paixão que possuem pela música para conquistar um espaço que até então não tinham, e tudo o que vemos é apenas um pequeno passo diante de um futuro incerto, fazem loucuras para conseguirem algo que de longe, até parece pequeno, mas que tem lá seu impacto na vida de cada um, e esta é a graça da obra, as transformações e conquistas são simples, quase que imperceptíveis, mas elas existem, John Carney acerta, mais uma vez, por esse olhar intimista sobre seus personagens e por trazer uma beleza tão rara e tão sensível sobre cada passagem. Não esquecerei tão cedo algumas sequências como quando, Gretta e Dan saem pelas ruas com um fone de ouvido até pararem em uma balada, dançando ao som que somente eles ouviam, ou todos os instantes que a banda improvisa as gravações pela cidade. Para quem gosta de musicais e comédias românticas, é um prato cheio...e para quem não gosta de nenhum dos gêneros conseguirá aproveitar tanto quanto. É tudo tão divertido, delicioso de assistir e acompanhar, é daqueles filmes simples, pequenos, mas de um coração enorme. Adorei cada segundo, cada diálogo, cada canção. Fiquei com um sorriso do início ao fim, e ainda saí feliz - e surpreso - por ter visto algo extremamente adorável, que é tão inteligente quanto apaixonante. Um dos filmes mais gostosos de se ver (e ouvir) deste ano. Recomendo.

NOTA: 9,5 




País de origem: EUA
Duração: 104 minutos
Distribuidor: Imagem Filmes
Elenco: Keira Knightley, Mark Ruffalo, Hailee Steinfield, James Corden, Adam Levine, Catherine Keener, Mos Def, CeeLo Green
Diretor: John Carney
Roteiro: John Carney, Anthony Bregman

4 comentários:

  1. Com Keira no elenco e do mesmo diretor de Once?? Tenho de ver! Obrigada por mais uma ótima indicação!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eh, foram exatamente por esses motivos que quis vê-lo. :) Valeu pelo comentário, Nat!!

      Excluir
  2. Sou fã de "carteirinha" de Mark Ruffalo! Um filme lindo, como vc disse, gostoso de se ver! Keila sempre linda e que lindo os dois juntos! Amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou fã do Mark Ruffalo tbm, Celia! Sempre procuro ver seus filmes e esta parceria do ator com a Keira funcionou demais. Ela é linda e talentosíssima! Esse filme é apaixonante

      Excluir

Deixe um comentário #NuncaTePediNada