domingo, 27 de setembro de 2009

Crítica: Uma Prova de Amor (My Sister's Keeper, 2009)


Do diretor, Nick Cassavetes, o mesmo de "Diário de Uma Paixão" e o mais recente "Alpha Dog", traz as telas um dos filmes mais comoventes do ano, ou até mesmo, em anos!

por Fernando

O filme, baseado no best seller de Jodi Picoult, nos mostra a jornada de uma família no auge do caos, graças ao câncer de uma das filhas, e essa doença aos poucos vai corroendo o sentimento de cada um. Nos mostra a jornada de uma garota de 15 anos que deixa de sonhar e ter uma vida plena para sofrer em uma cama do hospital, e mais que isso, o que essa doença acaba refletindo em cada membro dessa família.

Sara (Cameron Diaz) e Brian (Jason Patrick) um casal completamente apaixonados, se deparam com uma terrível notícia, a leucemia da filha pequena, a mais jovem até então, Kate. O outro filho, Jesse, infelizmente não tem compatibilidade suficiente para salvar a vida dela, devido as transfusões de sangue e doações de órgãos que deveria ser feita e há poucos doadores, e a possibilidade de compatibilidade e muito pequena o que aumenta as chances da criança morrer logo, é quando o casal decide fazer um filho de proveta, reunindo os genes de Sara com o de Brian para criar a filha perfeita para salvar Kate. Nasce Ana, que aos 11 anos (interpretada por Abigail Breslin) percebe o que faz na Terra e tira as conclusões sobre sua vida, nasceu para salvar sua irmã, não foi um acidente nem coincidência, foi planejada.

Refletindo sobre tudo isso, e lembrando no fato de que os seus 11 anos de vida, foram resumidos em idas obrigatórias ao hospital para exames de sangue, retiradas de sangue, operações, cirurgias, injeções, tudo para a melhoria de Kate (Sofia Vassilieva), ela decide ter liberdade sobre seu corpo e poder ter direito a ter uma alternativa, decide poder escolher entre ir ou não ir ao hospital, entre querer e não querer fazer uma cirurgia. Ana vai até um famoso advogado, Campbell Alexander (Alec Baldwin), junta uma grana, vendendo algumas coisas valiosas e com a ajuda de seu irmão Jesse (Evan Ellingson), ela vai atrás dele para levar seu caso para o tribunal, e assim poder ter controle sobre o próprio corpo.


A notícia chega em casa, para o espanto de todos, principalmente para Sara, que não admite a atitude da filha. O caso é estudado pela juiza (interpretada por Joan Cusack) que decide levá-lo ao tribunal. Kate aprova a atitude de Ana e sabe que ela tem consciência sobre o que está fazendo. A verdade é que uma operação em Ana está próxima, vai doar um rim para Kate, mas essa operação é muito arriscada, e as chances de salvar Kate são mínimas e pior, pode deixar lesões em Ana. E por isso a jovem decide enfrentar a própria família para poder sobreviver e ter uma vida digna, não ser um objeto para salvar outra pessoa.

Conflitos a parte, essa família nos dá uma lição de superação, enfrenta os problemas com cabeça erguida, por mais dolorosos que eles sejam. Ana ama muito a todos, inclusive a Kate e deixa claro que faria qualquer coisa para salvá-la, mas é preciso ter uma opção. Kate, por sua vez, tenta enxergar a vida da melhor forma possível, vive com dores e idas constantes ao hospital, mas tenta superar e ter esperança acima de tudo, mesmo que seja difícil aceitar a possibilidade da morte, sendo tão jovem, sabendo que tem tanta coisa para viver. Kate junta em uma caderno, fazendo um mosaico de fotografias, recordando tudo o que já viveu de bom, todas as boas lembranças, e são muitas. E mesmo que sua passagem na vida seja breve ela quer ter certeza que passou por ela e que deixou sua marca.

Por outro lado, Sara, que abandonou seu trabalho como advogada para ajudar a filha, retoma para ir no tribunal contra a decisão de Ana. Ela vai lutar com todas as forças para impedir que Ana consiga o que quer, simplesmente para salvar Kate, não por ferir Ana, mas por saber que essa é a única saída, caso contrário, ela perderia a filha que tanto ama. Ela vai passar por todos os obstáculos e enfrentar quem tiver de enfrentar para ter Kate saudável mais uma vez.





Uma família que tinha todos os motivos para desistir, mas todos resistem, cada um de sua forma, cada um tem um motivo para sofrer, por outro lado, cada um tem um motivo para querer seguir em frente, a própria família. Uma Prova de Amor entra na mente de cada personagem para entendermos o que se passa na mente de cada diante de uma situação tão difícil e a maneira que cada um encontra para superar essas dificuldades.


O filme nos dá a sensação de algo "retrô", algo passado, como se fossem lembranças quase apagadas, com uma iluminação clara e marcante como se desfigurasse as imagens. O filme funciona mesmo como lembranças, alternando entre o passado e o presente, a mesma tática usada por Cassavetes em Diário de Uma Paixão, que funciona mais uma vez. E inevitavelmente comparando os filmes, Cassavetes usa da delicadeza e sensibilidade para conquistar o público, deixando de lado seu realismo e cenas pesadas com um clima mais agressivo do seu, também excelente, Alpha Dog. Uma Prova de Amor, é leve, calmo, mas ao mesmo tempo, nos trás uma história forte, marcante e extremamente emocionante.


As atuações são magníficas. A novata Sofia Vassilieva surpreende, dando a Kate um tom tão belo quanto triste, mostrando com sinceridade o sofrimento da jovem com câncer, fazendo com que torcemos e ao mesmo tempo, sofremos com ela. Cameron Diaz também é outra que surpreende, sempre vista nas comédias, mostrando seu belo sorriso e sua facilidade com o humor, ela encara de frente esse drama pesado, arrisca e acerta bonito com sua desesperada Sara, emociona o público com sua luta interminável para salvar a vida da filha, é tão bonito ver sua passagem, compreendemos suas atitudes, por mais agressivas que sejam, Diaz dá um show na tela, principalmente nas cenas em que chega ao ápice do desespero. Abigail Breslin é uma jovem atriz extremamente talentosa, quem sabe, a melhor de sua geração, se entrega a uma personagem com tal facilidade que alguns atores já crescidos não conseguem, emociona e diverte o público com sua simplicidade e carisma, dá um toque tão real naquilo que representa, é natural, interpreta como sendo uma garota de 11 anos na mesma situação, não como um adulto em forma de criança. Ela é perfeita para o papel e tem um desempenho incrível na frente das câmeras. Além das boas participações de Jason Patrick, Evan Ellingson, Joan Cusack e Alec Baldwin.


Uma Prova de Amor, é belíssimo, comovente ao extremo, impossível não se deixar levar e se emocionar com a jornada dessa família, tão incrivelmente exposta por Nick Cassavetes e por atores tão competentes. As cenas são belas, a trilha sonora se encaixa perfeitamente no clima nostálgico do filme, assim como a fotografia e a iluminação, tudo em perfeita sintonia. Diálogos memoráveis e cenas marcantes, como quando Ana enfrenta sua família pela primeira vez, palmas para Abigail Breslin, ou quando Kate ao manusear seu álbum de fotografias, em pensamento, perde perdão para a família, impossível não se emocionar, ou com os desesperos de Sara, ou com o discurso inicial do filme, sobre as conclusões de Ana sobre sua vida, onde o filme já começa perfeitamente bem, ou com os diálogos profundos sobre família, vida e morte, entre outros. Um filme que nos apresenta grandes reflexões. Um daqueles filmes que ficarão na memória por muito tempo.

NOTA: 9

sábado, 26 de setembro de 2009

Crítica: Arraste-me para o Inferno ( Drag Me to Hell )


Voltando às origens, Sam Raimi faz de Arraste-me para o Inferno, um bom filme. Porém,a falta de firmeza e de sustos convincentes faz dele também um exemplar fraco do gênero.

Por Bárbara

Sam Raimi, depois de fazer um estrondoso sucesso no comando da trilogia Homem-Aranha, voltou às suas raízes com Arraste-me para o Inferno. Um belo retorno, diga - se de passagem , do talentoso cineasta que deu as caras pela primeira vez no cinema com A Morte do Demônio (Evil Dead ,1981).

No entanto, o que poderia ser novamente uma pérola do gênero em tempos tão difíceis infelizmente não passa de uma mistura desequilibrada de comédia e horror, oscilando entre momentos de suspense e tensão com outros simplesmente risíveis. Quem sou eu para criticar Sam Raimi, mas ao meu ver,se "Arraste-me.." tivesse mantido a seriedade necessária para ser um bom e assustador filme de horror,seria uma experiência totalmente satisfatória para o espectador.

Mas também não sejamos tão exigentes. É claro que se tivesse seguido essa vertente,poderia ser uma boa pedida para os fãs mais ardorosos. Mas Sam é tão bom no que faz que "Arraste-me.." acaba por conquistar por ser um filme simples, entretanto muito bem feito, recheado de efeitos especiais, com boas atuações e um final digno de aplausos.

No longa, Alison Lohman é Christine Brown, uma esforçada analista de crédito de olho em uma promoção, pois percebe que seu chefe ainda não escolheu quem vai ocupar o cargo de vice-diretora da empresa.Além de ter um bom emprego e uma boa oportunidade de crescimento profissional, ela namora o apaixonado e dedicado Clay Dalton ( Justin Long ), que faz de tudo para ficar ao lado dela, mesmo não tendo a aprovação de sua mãe, Trudy Dalton ( Molly Cheek ), que prefere ver seu filho namorando uma advogada recém - formada com honras em Yale do que uma fazendeira que deu sorte na cidade grande.

Essa vida praticamente perfeita muda drasticamente com a chegada de uma anciã chamada Sylvia Ganush ( Lorna Raver ) , que estava prestes a perder sua casa pela falta de pagamento da hipoteca.Ela foi ao banco onde Christine trabalha para tentar uma renegociação de prazo da hipoteca, e assim, não perder sua casa.Sentindo dó da pobre idosa, Christine até pensa em renegociar o pagamento da dívida, mas para impressionar o seu chefe e conseguir a promoção, nega o pedido da Sra Ganush. Ela, que viu que estaria na rua da amargura, fica de joelhos e implora à Christine que a ajude e faz um verdadeiro carnaval no recinto.Assustada, Christine acaba por chamar os seguranças para retirar a velha do local. Quando estava indo para casa, Christine acaba sendo atacada pela insandecida senhora e luta com ela no seu carro.Dizendo que Christine a humilhou quando ela lhe implorou ajuda, Ganush lhe rouba um botão de seu suéter e lhe lança uma maldição terrível.Naquela mesma semana, Christine seria arrastada até o inferno pelo demônio Lâmia.

Christine, a princípio, não leva tudo aquilo muito a sério. Depois de sofrer com alucinações envolvendo a aterrorizante figura da velha,recorre a um médium, Rham Jas ( Dileep Rao ), para que se livre da terrível maldição. Até mata o seu amado gatinho de estimação para sobreviver deste inferno que se tornou a sua vida.

Depois de sofrer muito com as alucinações, que se tornam muito frequentes e assustadoras,ela descobre que há uma médium muito poderosa que pode salvá-la,expulsando Lâmia deste plano antes que ele consiga arrastar Christine para as profundezas do inferno.Mas como há um grande risco de vida, a tal médium cobrou 10.000 dólares para fazer o servicinho.O problema é que, mesmo vendendo todos os seus objetos de valor,Christine não consegue arrecadar nem a metade do dinheiro que precisa.Então, entra na jogada o seu querido namorado Clay, que a princípio é bastante cético, achando que a namorada estava sofrendo de estresse pós traumático ( é claro que ele não acerditaria nesta parafernalha de demônios, o cara é psicólogo ! ) por conta do ataque da idosa contra Christine, acaba por acreditar ( em parte ) nos lamúrios de sua amada, que ficava mais perturbada a cada dia,e lhe dá o dinheiro para fazer o ritual.

Como disse, o longa é uma mistura de gore, humor negro e elementos de horror. É uma pena que isso atrapalhe um pouco o andamento do filme, pois algumas sequencias são um tédio só!Outras são de rolar de rir, como exemplo, cito a cena em que um homem está possuido pelo Lâmia,ri e dança histericamente.Hilário!No entanto, há outras que são de gelar a espinha e proporcionam bons sustos, ainda que nem todos assustem de fato.Ainda há os efeitos especiais, que em alguns momentos incrementam a película e outros que, sinceramente, acabam por estragar e tirar o impacto das cenas.

Referente ás atuações, Alison Lohman está razoável como a protagonista. Como o filme, sua interpretação oscila, entre o ápice do desespero e os momentos totalmente inexpressivos. Justin Long está " no ponto" como Clay.Ele, apesar de ser cético, em nenhum momento é arrogante ou abandona Christine quando a situação fica insustentável. Muito pelo contrário, mesmo não acreditando em espíritos, demônios e afins,dá total apoio à namorada e Justin se encaixou perfeitamente neste papel,se mostrando como um perfeito cavalheiro. Lorna Raver, como a diabólica Sra Ganush está assustadora e repugnante ao extremo. Sinceramente, não sabia se sentia medo ou nojo dessa senhora.

Mesmo não sendo deveras assustador, Arraste-me para o Inferno é uma boa pedida para os fãs de cinema, não necessariamente de horror.É uma boa oportunidade de conferir que o talento de Sam Raimi não está restrito a franquia Homem - Aranha. É ver e tirar suas próprias conclusões, principalmente por causa do final ousado e bastante pessimista.

NOTA: 8

domingo, 13 de setembro de 2009

Especial : A Hora do Pesadelo


Um, dois...Freddy vem te pegar
Três, quatro... a porta é melhor trancar
Cinco, seis...agarre seu crucifixo
Sete,oito...é melhor ficar acordado
Nove, dez...e nunca dormir outra vez

Por Bárbara
Apresentação:


Em 1984, nascia mais um terrível assassino.Seu nome: Fred Krueger.Seu "pai": Wes Craven.O diretor estava no auge de sua carreira, quando tinha contribuído para a história do cinema de horror com dois clássicos absolutos: Aniversário Macabro ( Last House on the Left ) e Quadrilha de Sádicos ( The Hills Have Eyes ), ambos com personagens más, detestáveis e que causavam muito medo, em uma época mais inocente e sem preparo para receber esses filmes como apenas obras ficcionais.Quando A Hora do Pesadelo estreou nos cinemas, foi um sucesso estrondoso para um filme com o orçamento baixíssimo, praticamente independente, produzido pela então "pequena" produtora New Line Cinema.Fred Krueger assustou e conquistou o público e depois de um ano, A Hora do Pesadelo ganhava sua continuação, A Hora do Pesadelo 2 - A Vingança de Freddy.As duas películas são boas,ainda que percam um pouco de qualidade no final,mas mesmo assim são satisfatórias.

Porém, a partir do terceiro filme, o tom de humor negro predominou e então Freddy, que no início era chamado de Fred, virou o herói engraçadinho dos filmes, que deixaram de ser de terror, para ser uma imensa palhaçada.Antes, com os dois primeiros exemplares, as aventuras de Freddy Krueger até tinham algum sentido e o mínimo de coerência.A Hora do Pesadelo 3 - Os Guerreiros dos Sonhos, A Hora do Pesadelo 4 - Mestre dos Sonhos, A Hora do Pesadelo 5 - O Maior Horror de Freddy e A Hora do Pesadelo 6 - Pesadelo Final: A Morte de Freddy foram apenas oportunidades para que diretores e roteiristas inexperientes pudessem fazer o que lhe dessem na telha e que a New Line Cinema pudesse crescer e se desenvolver usando a franquia como um caça-níqueis,lançando sequências com menos de dois anos de diferença de uma para a outra.No início, o que impressionava era o clima de tensão, suspense e bons sustos proporcionados graças a presença da figura sombria de Freddy Krueger.O diferencial da série eram os métodos que Krueger usava para acabar com suas vítimas,usando uma luva de navalhas na mão direita e atacando os jovens da Rua Elm nos pesadelos deles.Era só pegar no sono e ele estava lá, na espreita.

Conforme Freddy foi sendo alçado ao status de ídolo pop dos anos 90, com direito à linha de bonecos, revistas em quadrinhos, pôsters e até uma luva igualzinha a que ele usava nos filmes feita de plástico, o clima de tensão e todas as características que citei nos parágrafos anteriores que faziam com que A Hora do Pesadelo valesse a pena, foram pro espaço.Tudo foi substituído por rock paulera na trilha sonora, no lugar das músicas tétricas e apavorantes, e muitos efeitos especiais,revolucionários na época, mas que não acrescentavam nada de bom no resultado final. A franquia foi virando um " samba do crioulo doido" que na verdade só era um meio de mostrar mortes sangrentas das mais variadas formas.
Além disso, tinham pretextos patéticos para trazer Freddy Krueger de volta do inferno e aterrorizar os jovens da Rua Elm.E também não faltavam motivos esdrúxulos para que os mocinhos pudessem acabar com ele de uma vez por todas, com todos os filmes abrindo um gancho para uma continuação, com Freddy pegando os adolescentes de supresa e soltando sua "gargalhada fatal".Até que , em 1994, Wes Craven volta ao comando no razoável O Novo Pesadelo, que mistura realidade com ficção e mostra a história dos atores e produtores da série atormentados pelo espírito de Freddy Krueger, contando com as atuações de Robert Englund, tanto como Freddy Krueger como interpretando ele mesmo, com Heather Langenkamp, que interpretou Nancy, a heroína do primeiro filme, também interpretando ela mesma e até com próprio Craven em uma pequena participação.

Para finalizar , em 2003 a New Line Cinema produziu o crossover entre Freddy e Jason Voorhees, da franquia Sexta-Feira 13, chamado de Freddy Vs Jason, que mostrava um duelo entre os monstros imortais.Um lixo de filme diga-se de passagem, mas é divertido ver as peripécias de Freddy,mesmo que a qualidade do longa seja baixíssima.

Para tentar recuperar o tom sério do ínicio da franquia, que a partir do segundo exemplar já começava a rolar ladeira abaixo e também para tentar apagar da memória popular o horroroso Freddy Vs Jason, um remake do A Hora do Pesadelo original já está sendo filmado, com previsão de estreia para 16 de abril de 2010, nos EUA.Recebendo a luva de navalhas de Robert Englund, que ficou mundialmente conhecido por causa do papel, Jackie Earle Haley encarna o aterrorizante Fred Krueger, causando muitas expectativas nos fãs, afinal, o ator interpretou um pedófilo no filme Pecados Íntimos e um anti-herói sociopata em Watchmen,ambas personagens extremamente perturbadas. Resta a nós agora, esperar o novo filme estrear para podermos conferir se o "novo" Freddy estará mais aterrorizante que o orginal e nunca mais voltar a dormir!

A História de Freddy Krueger:

A mãe de Freddy, Amanda Krueger, era uma freira que prestava serviços em um manicômio na cidade de Springwood.Um dia, ela foi trancada acidentalmente com vários dementes,que a estupraram várias vezes.Ela foi encontrada três dias depois,quase morta, e um tempo depois, descobriu que estava grávida.Com isso, foi expulsa da irmandade religiosa da qual fazia parte e tentou se estabelecer várias vezes com homens diferentes na tentativa de educar o filho.
Cada padrasto foi pior do que o outro, e ela chagou a apanhar, junto com o filho, de um deles.
Na escola,o garoto era discriminado por conta de sua origem e era constantemente chamado de "o filho de cem tarados".Uma das brincadeiras preferidas de Freddy quando criança era de torturar e matar pequenos animais.Quando cresceu,arrumou emprego em uma velha refinaria na cidade,até chegou a se casar e teve uma filha.A partir daí,seu instinto assassino aflorou de vez, e ele começou a sequestrar e matar crianças da Rua Elm,se apresenatdo a elas como o "tio Freddy".
Aí, o caos reinou no local,com várias e várias crianças desaparecidas.Loretta Krueger, sua mulher, desconfiada do marido,vasculhou suas coisas no porão de casa e descobriu tudo.Ele a pegou no flagra mexendo em suas coisas e matou a mulher de pancada na frente da filha.Não demorou muito para todos os habitantes descobrirem que ele era o misterioso assassino de crianças.Krueger chegou a ser preso,mas por um erro burocrático no inquérito,seus advogados de defesa conseguiram libertá-lo,porém tomaram-lhe sua filhinha,que foi parar em um orfanato.Toda a cidade se revoltou com a decisão judicial e prepararam uma emboscada para Krueger: o trancaram na sua casa,jogaram gasolina e atearam fogo,fazendo com que ele moresse queimado.Um dos pais que lideraram o "exército" contra Krueger, o policial Donald Thompson e sua mulher, Marge Thompson, guardaram a tão famosa luva com garras de navalha em casa.Para todos eles, a paz voltou aquele lugar e assim, conseguiram proteger as crianças que sobreviveram.Anos se passaram e Freddy, que no dia de sua morte fez um pacto com os "Demônios do Sono" para ser imortal e poder realizar sua vingança,volta a aterrorizar os jovens da Rua Elm,só que agora através dos pesadelos deles.E é dai que A Hora do Pesadelo ( 1984 ) começa...

Destaques do Elenco:

Além de ter revelado ao mundo o talento de Robert Englund, que encarnou o assassino zombeteiro, autor de várias frases memoráveis como " Bem-vinda ao horário nobre,vadia", a série A Hora do Pesadelo também deu oportunidades a jovens atores que começavam suas carreiras no cinema.Muitos deles não tiveram talento o suficiente para receberem propostas melhores e a maioria foi trabalhar em séries da TV americana ou nunca mais deram as caras na mídia.Os mais talentosos deles se deram bem em suas carreiras e mostraram que são capazes de fazerem filmes de outros gêneros.É o caso de Johnny Depp e Patricia Arquette.Além disso, contou uma participação especialíssima de Laurence Fishburne, como um dos enfermeiros do hospital psiquiátrico que é o cenário de Os Guerreiros dos Sonhos, a terceira parte da franquia.
Em A Hora do Pesadelo de 1984, um jovem de topete estiloso e fones de ouvido gigantes virou uma poça de sangue pelas mãos do malvado Fred Krueger,quando pegou no sono.Na verdade, esse jovem era o ator Johnny Depp que, acompanhando um amigo para o teste do filme, foi convidado por Wes Craven para participar também, acabou aprovado e interpretando Glen Lantz, o namorado de Nancy.Posteriormente, fez uma pequena participação em Pesadelo Final: A Morte de Freddy, como um rapaz que aparece no sonho de uma das personagens, no caso, um jovem drogado que adormece em frente a uma televisão.Johnny mostra a ele como é um cérebro de um drogado , exibindo um ovo fritando na frigideira.Em seguida,leva uma frigideirada na cara por Freddy. Depois de ter participado da franquia,Johnny deslanchou em Hollywood e hoje é um astro,com papéis memoráveis no currículo, com destaque para o pirata desmiolado Jack Sparrow, de Piratas do Caribe e os seus infindáveis papéis nos filmes de Tim Burton,que também lhe deram notoriedade.

Patricia Arquette participou de outros filmes menos reconhecidos antes de ser a protagonista Kristen Park, em Os Guerreiros dos Sonhos,garota que era uma das últimas crianças filhas dos assassinos de Freddy,que o quiemaram vivo em sua casa.A moça tinha o poder de levar outras pessoas para os seus sonhos,e quando quase foi morta por Freddy no banheiro de sua casa ( ele tentou simular um suicídio, fazendo a garota cortar os pulsos com uma gilete ) foi internada num hospital psiquiátrico,ficando confinada com outros jovens que sofriam constantemente com pesadelos causados por Krueger.Com já tinha citado anteriormente, Laurence Fishburne era um dos enfermeiros do hospital, Max.Patricia não ficou apenas trabalhando com o gênero terror,participando de Amor à Queima Roupa, Stigmata e Nação Fast Food.
A sua personagem, Kristen, retornou na sequência , O Mestre dos Sonhos , mas ela não quis reprisar o papel, sendo substituída por Tuesday Knight.


Filmes:


A Hora do Pesadelo ( A Nightmare on Elm Street, 1984 ) :


Quatro amigos têm terríveis pesadelos com um homem desfigurado que usa uma luva com garras de navalhas e os perseguem até acordarem.Quando um deles, a garota Tina ( Amanda Wyss ) não consegue acordar a tempo, é assassinada por ele.
Porém, todas as suspeitas recaem sobre seu namorado, Rod ( Nick Corri ),pois eles dormiam juntos com os outros dois amigos, Nancy Thompson ( Heather Langenkamp ) e Glen Lantz ( Johnny Depp ), por que Tina estava com medo de dormir sozinha.Então, Rod é preso e Nancy passa a sonhar com o tal assassino e também com a amiga morta.Então ,ela pede a ajuda a Glen para que ela possa descobrir quem matou Tina,pois acredita que não foi Rod que fez isso.Ao ir visitá-lo na cadeia,tudo indica que Rod se matou na cela, por que foi encontrado pendurado pelo pescoço, enrolado num lençol,mas também foi assassinado pelo misterioso assassino,que simulou suicídio.Nancy começa a ficar perdida e como todos acreditam que Rod tinha se arrependido do que feze que por isso se matou,ninguém acredita nela,e então ela só tem Glen ao seu lado.Sua mãe, Marge ( Ronee Blakely ) , percebendo que a filha estava perdendo a sanidade ao tentar ficar acordada,decide ajudá-la.
A partir daí, Nancy tenta resistir a pegar no sono, ao mesmo tempo que descobre quem é o homem que tenta matá-la nos seus sonhos.Se tratava de Fred Krueger ( Robert Englund ), um maníaco que atacou muitas crianças da Rua Elm e que por um erro no inquérito policial, ficou em liberdade, mas que foi morto pelos pais revoltados,entre eles sua mãe e seu pai, o policial Donald Thompson ( John Saxon ).
Comentários: Apesar de não ser nenhuma obra-prima do gênero, A Hora do Pesadelo é um bom filme de terror.Com um eficiente clima de suspense e tensão,o filme prende o espectador na poltrona,que fica interessado em saber como os jovens adolescentes farão para se safarem do terrível Fred Krueger, já que ele ataca no momento mais vulnerável do ser humano, durante o sono.Wes Craven acertou em cheio em inserir essa característica,caso contrário,ele seria mais um dos "slasher movie" da vida.Uma pena que ele perdeu um pouco a mão no final, que se tornou digno de Esqueceram de Mim.No mínimo, patético,mas não compromete o resultado final.
Nota:8/10.



A Hora do Pesadelo 2 - A Vingança de Freddy ( A Nightmare on Elm Street 2 - Freddy's Revenge, 1985 ) :


Mesmo sendo no mínimo razoável, esta sequência não consegue ser tão boa quanto o filme original,tampouco manter o mesmo nível.Depois dos acontecimentos na casa 1.428, na Rua Elm, outra família se muda para lá.Jesse Walsh, o novo morador, junto com seus pais e sua irmã mais nova, começam a receber a influência maligna de Freddy Krueger,que, para acabar com a sua vingança, aterroriza o jovem Jesse através dos seus sonhos e tenta possuir o corpo do rapaz, para que possa matar todos os adolescentes da Rua Elm, sem ter que esperar todos eles caírem no sono.Mas Jesse tem outros planos.Como é novo na cidade,tenta se enturmar na escola e até arranja uma namoradinha,Lisa( Kim Myers ).Entretanto, fica cada vez mais difícil para ele levar uma vida normal, quando há um espírito maligno desejando possuir seu corpo.
Comentários: Essa sequência até que começa muito bem, com um prólogo interessantíssimo.Jesse estava no ônibus escolar com a turma toda.Assim,cada estudante vai descendo em seu respecitvo ponto e então sobram apenas ele e duas meninas que ficavam tirando um barato da sua cara.De repente, o motorista do ônibus acelera,não deixa mais ninguém descer e segue em direção a um deserto.Lá, o chão se racha, o ônibus fica suspenso em um precipício e revela-se então, que na verdade, o motorista do ônibus é Freddy Krueger.Ele corre em direção aos adolescentes.Não há como escapar: ou fica no ônibus e morre pelas mãos de Freddy,ou se joga pela janela e cai num precipício sem fim.Até aí,tudo bem.O problema é que, para inovarem, os roteiristas decidem fazer com que Freddy se materialize no mundo real e ataque em um churrasco,matando quase todo mundo que estava na festa.E tudo isso com direito a umas das frases memoráveis proferidas pelo vilão: "Vocês todos são minhas crianças agora!".Pois é, besteirol puro.Inclusive um periquito, mascote da familía Walsh,explode.
Nota: 5/10.



A Hora do Pesadelo 3 - Os Guerreiros dos Sonhos ( A Nightmare on Elm Street - Dream Warriors, 1987 ) :


Voltando a atacar somente no mundo dos sonhos,Freddy Krueger atormenta a jovem Kristen Park ( Patricia Arquette ), uma das últimas crianças sobreviventes do assassino da Rua Elm.Assim, ela vai parar em um hospital psiquiátrico, junto com outros jovens que sofrem com os pesadelos ocasionados por Freddy.Como ninguém acredita neles,inclusive os psicólogos, que acham que se trata de uma histeria em grupo, eles vão morrendo um a um.A única esperança de les é a nova psicóloga, Nancy Thompson ( Heather Langenkamp ), a sobrevivente do primeiro filme da série.Juntando - se a ela e contando com um dom especial que Kristen possui, que é o poder de levar outras pessoas aos seus sonhos ( ou pesadelos ),todos eles tentam se salvar e mandar Freddy para o inferno outra vez.
Comentários: A partir daí, a coisa desanda.Os heróis dos filmes deveriam ser os adolescentes,mas como eles são tão ridículos,superficiais e estereotipados no último,o espectador se vê forçado a torcer para que Freddy mate-os rapidamente,tamanho o besteirol que é este terceiro filme.Até agora não engoli esse tal poder de Kristen, que leva pessoas aos seus sonhos ( e a tendência é piorar, no quarto filme ) e principalmente, os métodos criativos de se matar uma pessoa que Krueger desenvolve,chegando a esquecer de usar sua famosa luva.Agora, a moda não é matar a navalhadas e sim, de acordo com a personalidade da vítima.É nesse longa que Freddy profere sua frase mais famosa: " Bem-vinda ao horário nobre,vadia".Deprimente...e como já citei, a tendência é piorar cada vez mais.
Nota:3/10.



A Hora do Pesadelo 4 - Mestre dos Sonhos ( A Nightmare on Elm Street - The Dream Master,1988 ) :


Os sobreviventes do filme anterior voltam nessa sequência, mas Patricia Arquette não aceitou reprisar seu papel, passando o "fardo" para a desconhecida Tuesday Knight.Depois de mandarem Freddy Krueger ( de novo ) para o inferno,os adolescentes vivem uma vida normal.Até quando Freddy volta ( não sei como, acho que eu dormi nessa parte, sinceramente, eu não me lembro ) e mata Joey e Kincaid, os amigos de Kristen.Depois de se recuperar,Freddy usa Alice ( Lisa Wilcox ), a irmã do namorado de Kristen, para saciar sua sede de sangue,pois, na hora da morte, Kristen transfere seu poder à Alice, no melhor estilo Hadouken, do Street Fighter ( hahaha ).Assim, a garota leva todos os seus amigos para os seus pesadelos e praticamente os entrega de bandeja para Krueger.
Comentários:Medonho.É um filme ridículo,sem coerência alguma e que na verdade só serve para mostrar as peripécias de Krueger,inclusive uma das outras frases brilhantes: " Que delícia, carne fresca".O final é muito ruim e estraga todo o filme, que , diga-se de passagem, já é uma porcaria.
Nota:2/10.


A Hora do Pesadelo 5 - O Maior Horror de Freddy ( A Nightmare on Elm Street - The Dream Child, 1989 ) :


Também voltando do filme anterior, a heroína Alice,depois que mandou Freddy para o inferno ( mais uma vez ),vive sua vida normalmente ao lado do namorado Dan.Ela engravida, e graças aos sonhos do feto ( hahaha ) Freddy volta do limbo,aterrorizando a jovem mamãe,matando seu namorado,todos os seus amigos e ameaçando possuir seu filho,para voltar a matar fora dos pesadelos.Aqui,o passado de Krueger começa a vir à tona, através da aparição de sua mãe Amanda.
Comentários:Acho que seria redundância demais da minha parte dizer que esse filme é ridículo.Para aproveitar o ensejo,todos os filmes com exceção do primeiro e do sétimo,são totalmente descartáveis.Tava tão interessante que caí no sono,nem vi o final.O engraçado é que ninguém me perseguiu enquanto eu estava sonhando ( hehehe ).É tudo tão ruim, mas tão ruim que para piorar mais ainda, o assassino, que no primeiro filme era sanguinário e aterrorizante, para despachar uma de suas vítimas, se transforma no Super Freddy, chegando até a andar de skate!!!Só mesmo rindo para não chorar.
Nota:1/10.



A Hora do Pesadelo 6 - Pesadelo Final: A Morte de Freddy ( The Final Nightmare - Freddy's Dead, 1991 ) :



Continuando a contar o passado sórdido do protagonista, que agora é, discaradamente Freddy Krueger,essa parte é uma das mais estapafúrdias tentativas de se ganhar dinheiro com o personagem,já que ele não estava mais tão popular assim.Com isso, colocaram no nome do longa, o subtítulo "A Morte de Freddy", como se um homem que já tinha morrido queimado a duzentos anos atrás pudesse morrer de novo!Pois bem,apesar de apresentar todas essas características no mínimo patéticas,o filme conquista justamente por isso ( bom, pelo menos no meu caso).
O filme começa com um jovem sonhando que sua casa flutuava no céu.De repente,ela começava a cair velozmente e , ele desesperado, vai até a janela para ver o que estava acontecendo.Aí, ele se depara com Freddy Krueger montado numa vassoura, no melhor estilo Harry Potter e ainda diz para o rapaz: " Vim te pegar,gracinha.E sua alma também.Hahahahaa..."
Depois desse prólogo no mínimo hilário,descobrimos que o jovem em questão é o ultimo adolescente sobrevivente da cidade de Springwood,já que todos eles foram assassinados por Freddy.Para que ele possa matar em outras cidades,pois está preso a Springwood ( não me preguntem o porquê,nem faço ideia ), ele expulsa o jovem,que perde a memória e vai parar em uma cidade vizinha,num abrigo para jovens infratores.
Nesse abrigo, trabalha a psicóloga Maggie Burroughs ( Lisa Zane).Descobrindo nos pertences do jovem desmemoriado que se auto-denomina John Doe, um recorte sobre a cidade de Sprinwood,ela decide ir até lá com ele para saber sua origem.Porém, junto com eles, também vão Tracy,Carlos e Spencer, três adolescentes que tentavam fugir do abrigo.E,como é de praxe, todos eles caem nas garras de Freddy,que aqui até joga video-game.Nossa,que assustador...Nesse filme, continuamos a saber sobre o passado de Freddy e vimos que ele chegou a se casar e que teve um filho antes de morrer queimado.
Comentários:Justamente por ser uma bomba, é um dos mais legais da série,por assumir de vez o pastelão e o humor negro.Até minha irmãzinha de 8 anos assistiu esse filme e se acabou de rir com as peripécias de Freddy.Mortes dignas dos episódios de Tom e Jerry, com direito a uma banana de dinamite e um final em terceira dimensão.
Nota:6/10.



O Novo Pesadelo ( Wes Craven's - New Nightmare, 1994 ) :


Depois da série de filmes baseadas na história de Freddy Krueger,o espírito do próprio começa a atormentar todo o elenco e a equipe técnica da franquia.A principal vítima é a atriz Heather Langenkamp, que interpretou a heroína Nancy Thompson no primeiro e no terceiro filme.Assassinando membros da equipe de efeitos especiais,inclundo o marido de Heather, Chase Porter, e exercendo uma influência macabra em seu filho, Dylan,Freddy volta às suas origens,malvado e cruel,sem piadinhas na ponta da língua,se propondo apenas em dar sustos e rasgar os corpos de suas vítimas com sua luva com garras de navalha,tal como nos bons e velhos tempos.Sem ter ninguém para ajudá-la a sair dessa situação, a não ser a babá de Dylan, a jovem Julie, Heather ainda tem que conviver com estranhas ligações anônimas, que recita trechos de A Hora do Pesadelo original e proteger seu filho, que a cada dia vai ficando mais estranho.
Comentários:Depois do primeiro,que é insuperável mesmo não sendo uma obra-prima, o sétimo filme da franquia é o melhor da série.Misturando realidade com ficção,ele proporciona bons sustos,boas sacadas com o filme original e com o status de ídolo pop que Freddy Krueger alcançou,uma coisa que o criador Wes Craven nunca concordou, e também com a fama de Robert Englund,por causa de um papel que marcou sua carreira.Aqui,Freddy realmente está assustador e o roteiro prende a atenção do espectador até o fim,mesmo com um motivo tão besta para que Freddy ataque no mundo real.Sinceramente,não engoli essa historinha de que Freddy era a representação de uma entidade maligna que vive através dos tempos, que "gostou" de ser Freddy Krueger e que ainda, com o fim dos filmes, ficou livre e passou matar todos os envolvidos com a franquia!Pior: para detê-la, é preciso fazer novos filmes periodicamente, para manter essa tal entidade demoníaca no limbo.Ai..ai..sempre tem um porém não é mesmo??Wes sempre escorrega no tomate...e esse pequeno detalhe que acabei de citar é uma escorregada daquelas..ainda bem que não estragou o resultado final..que na minha opinião, é pra lá de satisfatório.
Nota:8/10.


Freddy Vs Jason ( Freddy Vs Jason, 2003 ) :



Freddy Krueger foi um terrível assassino de crianças em Springwood.Quando os pais das crianças descobriram que ele era o misterioso assassino e que, por um erro no inquérito policial, ficou em liberdade,fizeram uma emboscada e queimaram ele vivo,fazendo justiça com as próprias mãos.Depois disso, ele volta para se vingar de todos que estavam presentes no dia de sua morte,e passa a atacar os adolescentes da Rua Elm, filhos de seus algozes,através de seus pesadelos,pois antes de morrer, fez um pacto com os "Demônios dos Sonhos",para ser imortal e realizar sua vingança.
Como quase exterminou a população jovem de Springwood,os cidadãos resolveram revidar e fizeram uma coisa a ele que o deixou mais furioso do que matá-lo: condená-lo ao esquecimento,apagando todos os vestígios de sua existência e mandando para um sanatório todos os jovens que sonhavam com ele.Para sobreviverem, os jovens tomavam uma droga experimental para suprir os sonhos,chamada Hypnocil.E assim, ele foi para o limbo,totalmente sem forças para continuar sua matança.Mas Freddy é mais esperto...Para pensarem que ele voltou dos mortos ( mais uma vez ), ele ressuscita Jason Voorhees, outro monstro que não se cansa de morrer e ressuscitar,para matar os jovens até quando as autoridades pensarem que foi ele que voltou e os jovens saberem de sua existência,o que daria forças para ele voltar a atacar através dos sonhos.O problema é que Jason é uma besta sem limites e que mata todas a vítimas de Freddy,que deixa o chamuscado furioso.O confronto entre eles é inevitável e para completar,no meio disso tudo, há ainda uma turma de adolescentes tentando sobreviver a qualquer custo.Não podem dormir por que Freddy os espera,mas também não podem ficar acordados,pois Jason está na área...
Comentários:Um caso semelhante ao da parte 6.Assumiram de vez o tom pastelão e que o filme é uma bomba e pronto.De resto, cabe ao público tentar se divertir,desligando-se da realidade e da coerência,pois aqui os roteiristas não respeitam nem as características das personagens,como por exemplo, o fato de que neste filme, Jason ter medo de água,sendo que na franquia original, ele vivia saindo do lago, pegando de surpresa suas vítimas.Como agora ele tem medo de água??Pior: fizeram de Jason uma vítima,tanto quanto os adolescenets perseguidos por ele e por Freddy.Outra besteira:sem mais nem menos, uma das mocinhas consegue entrar no sonho de Jason sem nenhuma explicação.Ela simplesmente entra e ponto final.E mais: Jason sai de Crystal Lake e vai até Springwood num passe de mágica...como se as duas regiões fossem no mesmo quarteirão.Hahaha..só rindo mesmo.E olhe que nem vou comentar o tal do duelo...só vendo e tirando suas próprias conclusões...
Nota:2/10.