sexta-feira, 31 de maio de 2013

Crítica: Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets Society, 1989)

Lançado em 1989, vencedor do Oscar de Melhor Roteiro e tem Peter Weir como diretor, que nos últimos anos realizou pouquíssimas obras como "Caminho da Liberdade". Um belíssimo e inspirador filme que nos faz pensar sobre como aproveitamos nosso dia, nossa vida, nos faz refletir sobre pelo o que se vale a pena viver. Uma obra milagrosa, magnífica, enfim...um clássico!

por Fernando Labanca

Tradição, honra, disciplina e excelência. Estes são os pilares que sustentam uma escola preparatória para garotos, com leis rígidas e uma doutrina conservadora. Neste local há jovens que estudam para serem médicos, advogados ou algum outro cargo importante, pressionados pelos pais e pela própria sociedade. Até que eles são apresentados ao novo professor de inglês, John Keating (Robin Williams), com seus métodos nada ortodoxos, ele tenta através da poesia, inspirar esses jovens e fugindo um pouco daquela antiga tradição, Keating acaba causando um certo impacto entre os outros professores e principalmente entre os alunos, que passam a refletir sobre o que realmente querem da vida. Keating os ensina a essência do "Carpe Diem", explorar a aproveitar o máximo o dia, os instiga a viver a vida como deve ser vivida, a viver uma vida extraordinária e principalmente, os inspira a perseguir suas paixões individuais e a lutar por elas. Eis que um grupo de alunos, como Neil (Robert Sean Leonard), Todd (Ethan Hawke), Charlie (Gale Hanson), Knox (Josh Charles), entre outros, tão empolgados com essa nova aula, pesquisam sobre a vida de John no colégio quando ainda era um estudante e decidem reabrir um grupo de estudos iniciado por ele anos atrás...a "Sociedade dos Poetas Mortos".


"Sou um poeta morto! Fui para os bosques viver de livre vontade para sugar todo o tutano da vida, para aniquilar tudo o que não era vida e para, quando morrer, não descobrir que não vivi"

Mais do que aprender, estar em uma escola sempre acaba tendo um significado maior, é onde crescemos como pessoas, uma jornada de auto descobertas, de novas experiências. "Sociedade dos Poetas Mortos" consegue com maestria traduzir esses sentimentos, colocando alunos que de início tão acostumados com a tradição, se veem inspirados por um professor, é então que ganham vida, e na poesia descobrem a liberdade, a fome de viver, de ser alguém. É belo a trajetória desses personagens, que aos poucos conquistam a coragem de se aceitarem pelo que são, pelo o que amam, descobrem que o sentido da vida não será encontrado nos estudos que os levarão a serem médicos, advogados, o sentido está na luta por aquilo que os inspira. É belo o que Keating acaba levando a estes jovens, o que se torna quase que impossível não se afeiçoar a este grande personagem, que mesmo já mais velho, é um novato no colégio, tem a coragem de um adolescente, pronto para quebrar certas regras. Chega até ser previsível o fato de que suas atitudes teriam uma consequência ruim, de que seria mal visto por seus superiores, no entanto, o filme, com seu belíssimo e bem trabalhado roteiro, nos surpreende em seu final, trazendo algo impactante, e aquele sorriso leve e involuntário que permanece durante toda a obra, some e dá lugar as lágrimas, a emoção.

Em seu elenco, jovens que hoje já não são mais tão jovens, como Ethan Hawke, capaz de realizar grandes cenas, já na época, provando seu talento e a naturalidade com que consegue atuar, assim como Robert Sean Leonard, totalmente espontâneo, construindo um personagem memorável. Destaque também para Gale Hanson e Josh Charles, e sem, é claro, deixar de comentar de Robin Williams e como é bom vê-lo em um papel dramático, mesmo que tão carismático, tão alegre, o ator trás muita emoção em cena, dá vida a John Keating, o defende, como se acreditasse me cada palavra que ele diz. "Sociedade dos Poetas Mortos" tem em seus personagens sua grande força, são neles que as mudanças ocorrem, tudo acontece em um só lugar, o roteiro então, vencedor do Oscar, prova seu brilhantismo através dos diálogos, da construção desses indivíduos, como uma pequena ideia lançada em seu início atinge cada ser ali apresentado e como cada um reage. É por fim, um filme de sentimentos, que expõe ideologias, trás questionamentos que nos fazem refletir, inevitável não pensar na própria vida enquanto se assiste a esta obra.

Um filme atemporal, que fará sentido ainda daqui muitos anos, mesmo sendo de época, a maneira como o roteiro trabalha os dramas pessoais, podem se encaixar em qualquer contexto, em qualquer sociedade. Vemos na tela, pessoas sendo pressionadas, pressionadas por um consenso, consenso de que jovens precisam estudar numa faculdade renomada para que exerçam uma atividade de respeito, fazer exatamente o que se esperam delas, o que a sociedade espera, o que os próprios pais esperam. "Sociedade dos Poetas Mortos" é exatamente sobre esta libertação, viver por aquilo que se ama e não por aquilo que um dia alguém disse ser o certo, o melhor. Enfim, um filme maravilhosamente bem construído por este grande diretor chamado Peter Weir, com argumento consistente, atuações convincentes e momentos que ficarão na memória. Brilhante, fantástico, emocionante! Recomendo.   

NOTA: 10

"Não lemos e escrevemos poesia porque é moda. Lemos e escrevemos poesia porque fazemos parte da raça humana. E a raça humana está impregnada de paixão. Medicina, Direito, Administração, Engenharia, são atividades nobres, necessárias à vida. Mas a poesia, a beleza, o romance, o amor, são as coisas pelas quais vale a pena viver."




4 comentários:

  1. Leciono para o curso de Pedagogia e uso esse filme para estudar a mudança de olhar e pensar sobre educação no decorrer do século XX. É muito interessante também para resgatar o papel do professor diante de seus alunos mostrando que ensinar não é transmitir, mas sim encaminhar a reflexão dando sentido ao que se aprende e ensina. Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Escola que quer preparar os alunos para o mercado, mas esquece de preparar para a vida! Nossas escolas têm muito o que aprender com esse filme. Tem uma crítica em
    www.artigosdecinema.blogspot.com/2013/07/sociedade-dos-poetas-mortos-dead-poets.html

    ResponderExcluir
  3. Filme incrível! O desenvolvimento do verdadeiro pensamento crítico faz com que as pessoas sejam capazes de quebrar paradigmas. E esse é o verdadeiro sentido da revolução.

    ResponderExcluir
  4. gostei do filme, vi pq foi recomendado num livro que psicologia, porem nao acontece assim na vida real, no final quando 1 primeiro levanta, todos os outros,pensavam se levantavam ou nao, hoje em dia vc levanta um bandeira, muitos apoia, mas nao tem coragem de se expor,tem medo, segue numa sociedade ditada pelas regras,medo dos vizinho, vivo em constante conflito, aqui todos usam boné, é super normal, agora se eu sair na rua com outro tipo de chapéu, tipo mexicano que protege melhor do sol, ou de Cowboy, todos olham estranho e rir, é a nossa sociedade, nao enxergam eles mesmos, o quanto sao ridiculos, usando uma moda, que só serve pra encher seu ego. o mesmo, gostaria de dizer que nao tenho mas fé ou crenças em coisas mistica ou fantasia, livros religiosos, mas minha família toda é, que situação eu to, nao tenho liberdade pra expor meu pensamento, nem posso deixa sair um pio, por nao sei a reação e as consequências, estou pronto pra sofre? ser olhado com desprezos?ser talves ate expulso de casa? essa é nossa cultura, nossa sociedade, nossos professores,nossos pais,
    gostaria de ser livre, porem me contam mentiras ate hoje.

    ResponderExcluir

Deixe um comentário #NuncaTePediNada