sexta-feira, 13 de junho de 2014

Especial 400ª Postagem: Natalie Portman


Como o de costume aqui no blog, não poderia deixar de fazer um post especial para uma comemoração. Neste caso, celebro a 400ª postagem do Cinemateca (ainda que este número já tenha passado há algumas semanas!). Para isso, resolvi escrever um pouco sobre esta musa do cinema, no qual admiro muito desde que era mais novo, desde a época em que ela nem era um nome forte em Hollywood, Natalie Portman, que aliás, completou 33 anos nesta semana (09/06). Pois bem, hoje ela é isso, um nome a ser notado, uma atriz admirada por muitos, com seu talento inegável e um Oscar em sua prateleira, Natalie é, com certeza, uma das melhores atrizes da atualidade.

Por Fernando Labanca

Natalie Portman é uma atriz bastante versátil, de comédias descompromissadas como “Sexo Sem Compromisso” (2011), produções milionárias como “Thor” (2011) até filmes mais cultuados. Ganhou notoriedade na “nova” saga de “Star Wars” interpretando Padmé Amidala, mas foi em meados de 2004, com o lançamento de “Closer”, que provou de vez seu talento. Alguns anos depois chocou muitos com sua forte interpretação em “V de Vingança” (2006), mas foi em 2010 que Natalie conseguiu enfim, seu espaço merecido, seu reconhecimento, com “Cisne Negro”, de Darren Aronofsky, no qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz.


Natalie, como poucos sabem, nasceu em Jerusalém, Israel, em 1981. Se mudou ao lado da família para os Estados Unidos aos 3 anos de idade, onde estudou em uma escola judaica. Aos seus 4 anos começou a ter aulas de dança, e ainda criança foi convidada para ser modelo, mas acabou recusando para focar em outra carreira, desde cedo já sabia o que queria, ser atriz. Sempre muito dedicada à escola, Natalie aproveitava as férias para estudar teatro.

1994 marcou seu primeiro passo nos cinemas, aos 13 anos de idade estrelava o longa de Luc Besson, ao lado de Jean Reno em "O Profissional". Com papel de destaque, Natalie conseguiu chamar muita atenção com seu talento frente às câmeras. Desde então sua carreira não parou e passou a ser chamada para inúmeros filmes, trabalhando com diretores importantes como Michael Mann em "Fogo Contra Fogo", Woody Allen em "Todos Dizem Eu Te Amo" e Tim Burton em "Marte Ataca!". E me surpreende saber que esses diretores tiveram a coragem de colocá-la em seus filmes para papéis tão medíocres, mesmo depois do furacão que foi sua Matilda em 94.Também se dedicou a produções menores como "Em Qualquer Outro Lugar" ao lado de Susan Sarandon, filme que lhe rendeu a primeira indicação ao Globo de Ouro, como Atriz Coadjuvante.


No entanto, seu sucesso chegou apenas ao entrar para o elenco de Star Wars, em "Ameaça Fantasma" de 1999, saga no qual permaneceu até o episódio III (2005). A partir de então, sua carreira alavancou, participando de filmes como "Cold Mountain" de Anthony Minghella, o indie "Hora de Voltar" e "Closer - Perto Demais", no qual foi indicada ao Oscar, filme que enfim provou sua força como atriz. Em 2003, ao mesmo tempo em que se dedicava ao cinema, Natalie se formou em psicologia na Universidade de Howard e mais adiante permaneceu na área como assistente de pesquisa em um laboratório, no qual escreveu importantes artigos. Não o bastante, a atriz fala, além do inglês, outras línguas fluentemente, como francês, japonês, alemão e árabe. Uma mente brilhante.

Bom, de lá para cá, Natalie é a Natalie que todos conhecem, que muitos admiram. de "V de Vingança" à "Cisne Negro", filme que marca o ápice de sua carreira. Também arriscou na direção em uma das passagens de "Nova York, Eu Te Amo", além de ser produtora nos filmes "As Coisas Impossíveis do Amor" (2009), "Juventude em Fúria" (2010) e "Sexo Sem Compromisso" (2011). É válido citar também que a atriz já presenciou o fracasso, como a comédia "Sua Alteza?" e chocou muitos com sua nudez no curta de Wes Anderson, "Hotel Chevalier" de 2007. Nos últimos anos, porém, depois de muitos papéis fortes, a atriz tem se dedicado à obras mais descompromissadas, entre comédias e filmes de ação. Mais para frente, Natalie Portman poderá ser vista no filme "Jane Got a Gun" de Gavin O'Connor, que também produz e "Knights of Cups" de Terrence Mallick.

Natalie Portman é uma atriz que construiu uma filmografia interessante, que vale muito a pena dar uma conferida. Com isso, faço aqui, um TOP 10 dos melhores que vi...

TOP 10 - 
OS MELHORES FILMES COM NATALIE PORTMAN

The Other Woman / 2009 / direção: Don Roos
Assisti este filme sem nenhuma expectativa. Pois bem, foi uma grata surpresa. Vi apenas por Natalie, mas o filme me surpreendeu como um todo, com uma história boa, roteiro redondo e uma direção eficiente, o filme também marca uma das melhores atuações da atriz. Aqui, Natalie faz o papel da "outra mulher", que se envolve com seu chefe (Scott Cohen) mesmo sendo casado, e ele acaba largando a esposa (Lisa Kudrow, excelente) por causa dela. Os dois tem um filho, porém acaba falecendo ainda bebê. A partir de então, vemos a luta desta mulher, sofrendo por sua perda ao mesmo tempo em que precisa cuidar de William, o filho do primeiro casamento de seu marido, com que tem certa dificuldades em criar vínculos, em se conectar. Belíssimo drama que conta com grandes atuações de todo seu elenco, e seu bom roteiro acaba se revelando quase que em camadas, sempre nos oferendo surpresas ao seu decorrer, sempre conseguindo agradar e principalmente, emocionar.



The Other Boleyn Girl / 2008 / direção: Justin Chadwick
Apesar da direção extremamente tradicional e quadrada de Justin Chadwick, este filme também acabou me surpreendendo e muito, isso devido, principalmente, a grande atuação de Natalie Portman, que eleva o nível da obra, fazendo com ela deixasse de ser algo esquecível, a atriz fez o filme ser marcante, ser lembrado. A trama relata o envolvimento das irmãs Bolena com o rei da Inglaterra, Henrique Tudor (Eric Bana). Apesar de contracenar com a belíssima Scarlett Johansson, Natalie definitivamente rouba a cena, sua personagem é fantástica e a entrega de Natalie para sua Ana Bolena foi algo, no mínimo, memorável.



Brothers / 2009 / direção: Jim Sheridan
Refilmagem do dinamarquês "Brothers", o filme conta a história de Sam (Tobey Maguire), um fuzileiro naval que é enviado repentinamente para o Afeganistão, onde tempo depois é dado como morto. É então que seu irmão (Jake Gyllenhaal) passa a cuidar da família dele, inclusive de sua esposa Grace (interpretada por Natalie), com quem tem grande afeição. O conflito surge quando descobrem que Sam não havia morrido e iria retornar. Um drama pesado, um estudo intrigante e profundo sobre a mente deste personagem, tão perturbado pela guerra. Natalie Portman está, mais uma vez, excelente, ainda que coadjuvante, o que foi bom, deixa espaço para Maguire dominar a tela.



Mr.Magorium's Wonder Emporium / 2007 / direção: Zach Helm
É o filme mais "família" de Natalie Portman, feito para crianças mas que ainda poderá agradar e muito aos adultos, o que foi meu caso, me surpreendi e muito com esta obra. O longa conta sobre esta loja de brinquedos que tem vida própria, porém seu dono, o Sr.Magorium (Dustin Hoffman) está com seus dias contados e decide passar o nome da loja para sua ajudante, Molly Mahoney (Portman), uma jovem desiludida e frustrada, que precisa acreditar na imaginação e principalmente em si mesma, para impedir que os brinquedos morram. É infantil, doce e bastante delicado, surpreende ao trazer inteligência às situações, inclusive quando faz um emocionante e honesto discurso sobre a morte. Natalie entrega todo seu carisma à Molly, é belo sua trajetória durante o longa e a relação que cria com os demais personagens.



My Blueberry Nights / 2007 / direção: Wong Kar-wai
Uma coisa Natalie provou em sua carreira, sempre conseguiu ser uma excelente coadjuvante. "Um Beijo Roubado" é o tipo de filme que funciona justamente por causa dos personagens secundários, além dela, Rachel Weisz e David Strathairn dão um show de interpretação. O filme narra as descobertas de Elizabeth (interpretada pela cantora Norah Jones) pelas estradas dos Estados Unidos e seu encontro com diversas pessoas que as fazem conhecer um pouco mais de si. Natalie Portman tem uma passagem curta, porém marcante, tem uma força em cena admirável, devora seu texto. O filme é interessantíssimo e muito bem dirigido pelo coreano Wong Kar-wai. Ótimos diálogos, ótimos personagens, ótimas atuações.



Garden State / 2004 / direção: Zach Braff
"Hora de Voltar" é um filme especial. Nunca esqueço da primeira vez que o vi: na TV, de madrugada. Nunca esqueço das sensações que tive, de tudo o que ele me passou. O filme mais "cool" de Natalie e um dos mais adoráveis de sua filmografia. Roteirizado e dirigido pelo ator Zach Braff, o longa conta sobre o retorno de um ator fracassado (Braff) para sua cidade natal, devido a morte de sua mãe. Lá, ele acaba encontrando antigos amigos, resgatando as memórias e tudo o que de bom e ruim aconteceu em sua infância, além de conhecer Sam (Natalie Portman), uma jovem bastante excêntrica que fará ele repensar a maneira como encara sua vida. Leve, divertido e emocionante, daqueles que não esquecemos tão fácil. E Natalie está simplesmente fantástica na pele de Sam, um dos momentos mais descompromissados e mais prazerosos de sua carreira.



Léon / 1994 / direção: Luc Besson
Primeiro passo de Natalie nos cinemas. Digamos que foi com o pé direito, não poderia ter começado em filme melhor. Mesmo sendo o primeiro e mesmo ela fazendo tantos outros depois, "O Profissional" jamais deixou de fazer parte da lista dos melhores que ela realizou. A trama mostra um solitário assassino profissional (Jean Reno) que passa a ajudar Mathilda (Portman), uma menina que teve sua família assassinada e deseja vingança. Uma obra surpreendentemente boa, que vai seguindo caminhos inimagináveis e crescendo a cada instante. Muito mais do que uma história de vingança, "O Profissional" relata um pouco desta relação entre esses dois estranhos e emociona.



V for Vendetta / 2005 / direção: James McTeigue
"V de Vingança" é mais do que um marco na carreira da atriz, a obra é um marco no quesito adaptações de HQ, é um filme poderoso, que parece ganhar mais força ao longo dos anos. E sobreviverá e muito ainda, há muito no que se falar sobre a trama, sobre o que pensar. Criação de Allan Moore, conhecemos V (Hugo Weaving), um misterioso ser mascarado que decide, numa futurística Inglaterra dominada por um regime totalitário, trazer liberdade e justiça às ruas, entregar poder a uma sociedade tão dominada pelos políticos. Portman interpreta Evey, que é raptada por V e passa a fazer parte crucial de seu plano. O filme é maravilhoso, épico, eu diria. Fantástico em cada pensamento, cada diálogo, em cada ideia lançada na tela. A interpretação de Natalie Portman é de arrepiar, como na antológica sequência em que tem seus cabelos raspados, entre outros grandes momentos.



Black Swan / 2010 / direção: Darren Aronofsky
Em "Cisne Negro" acompanhamos a trajetória de Nina (Portman) em busca de sua perfeição. Uma bailarina que se esforça para estar no espetáculo "O Lago dos Cisnes", enquanto enfrenta a pressão de seu diretor (Vincent Cassel), de sua mãe (Barbara Hershey) e principalmente de si mesma, ao mesmo tempo em que acredita que a bela e talentosa Lilly (Mila Kunis) está querendo roubar seu lugar. Um suspense psicológico impactante, surpreendente, muito bem guido por este talentoso diretor, Darren Aronofsky. Natalie, que venceu o Oscar de Melhor Atriz por esta atuação, encontra em Nina a chance de provar de vez seu talento, é com certeza, um de seus melhores momentos, se entrega com força à personagem, simplesmente memorável.



Closer / 2004 / direção: Mike Nichols
A ordem é uma questão de organização, gosto muito dos filmes citados acima e eles são tão merecedores do "primeiro lugar" quanto este. A minha opção de colocá-lo aqui é bem pessoal, confesso que meu envolvimento com "Closer" é muito mais forte. É, sem dúvidas, um dos meus filmes favoritos e não preciso pensar duas vezes para dizer isso. A verdade é que não sei explicar tão bem o porquê, o porquê de amar tanto este filme. Boa parte é por causa de Natalie Portman, me encantei por ela através de "Closer", foi o ponta pé inicial para me interessar por sua filmografia, e sua personagem, Alice Ayres, é umas das minhas paixões do cinema.

A obra, baseada numa peça de teatro, relata os desencontros de quatro personagens, a fotógrafa (Julia Roberts), o médico (Clive Owen), o escritor (Jude Law) e a stripper (Portman). Esta última, peça importante na trama, que surge do nada, sem passado, sem futuro, e suas ações acabam dando inicio a um jogo de mentiras e traições entre esses estranhos.

Gosto das atuações, dos personagens, dos diálogos, que dizem a verdade de forma crua, tão honesta que choca. Um romance como poucos, uma obra como poucas. Apesar de todo o elenco estar afiado, Natalie chama atenção, o que faz com sua personagem é algo muito único, a maneira como ela seduz, como mente, como diz a verdade, como diz um "Eu não te amo mais". Impossível não amar, não se envolver, difícil de esquecer. Sou fã deste filme, sou fã de Natalie Portman por este filme.



MENÇÃO HONROSA



- Trilogia Star Wars
- Paris, Te Amo / Nova York, Eu Te Amo

Não adianta falar sobre Natalie Portman e deixar de lado os filmes que a levou ao estrelato, a trilogia "Star Wars" (A Ameaça Fantasma / O Ataque dos Clones / A Vingança dos Sith) dirigida por George Lucas foi de grande importância em sua carreira, ao interpretar Padmé Amidala, Portman passou a ser um nome notado em Hollywood, sua participação é boa e é nítido o quanto evolui de um filme para o outro. Apesar de alguns criticarem a "nova trilogia" da saga, confesso que gosto bastante e ter a atriz no elenco é só mais um bom motivo para assisti-la.

Um conjunto de curtas, feitos por diversos diretores que relatam seus amores por determinadas cidades. Paris, Nova York e futuramente...Rio de Janeiro. E, "Paris, Te Amo" (2006), Natalie é dirigida por Tom Tykwer no curta "Faubourg Sant-Denis", sobre o relacionamento de uma jovem atriz e um cego. Acredito que este tenha sido um dos melhores curtas da obra, hipnotizador, fascinante. Em "Nova York, Eu Te Amo" (2008), Natalie além de atuar em dos segmentos dirigido por Mira Nair, ela também dirige um curta bastante sutil, que fala sobre o preconceito na cidade a partir do olhar de um bailarino (Carlos Acosta).



OUTROS BONS FILMES



5º. Juventude em Fúria (2011)
4º. Sombras de Goya (2006)
3º. Em Qualquer Outro Lugar (1999)
2º. Cold Mountain (2003)
1º. Brincando de Seduzir (1996)

Aqueles que não entraram no TOP 10, mas que ainda assim, são filmes que merecem uma chance. "Juventude em Fúria" é uma comédia melancólica que narra o encontro do insano Hesher (Joseph Gordon-Levitt) e T.J (Devin Brochu), um garoto que acabou de perder a mãe, nascendo uma inusitada amizade. "Sombras de Goya" relata a época turbulenta da Inquisição sob olhar do pintor espanhol Goya (Stellan Skarsgaard), Natalie interpreta uma jovem e musa do pintor que é acusada pela Igreja Católica de heresia e é torturada por isso, uma das melhores atuações de sua carreira, sua transformação é drástica, é simplesmente chocante sua aparição na tela. "Em Qualquer Outro Lugar" mostra a relação entre mãe (Susan Sarandon) e filha (Portman) enquanto tentam se adaptar num nova cidade, entre discussões calorosas, verdades jogadas na cara e muito afeto, Sarandon e Portman dão um belo show de interpretação, num filme que se sustenta apenas de diálogos, surpreendentemente bom. Apesar de fazer apenas uma ponta em "Cold Mountain", decidi colocar, simplesmente porque apesar de ser apenas uma participação, acredito que tenha sido bem significativa para sua carreira. E "Brincando de Seduzir" foi uma das grandes surpresas desta minha jornada pela filmografia da atriz, um dos mais desconhecidos que ela já fez, a obra mostra o reencontro de vários amigos depois de anos separados, já adultos, eles passam a refletir sobre as mudanças da vida e tudo o que deixaram de realizar. Ainda criança, Natalie tem uma grande atuação, e é ela quem faz o protagonista (Timothy Hutton) duvidar sobre seu atual relacionamento, o filme ainda conta com atuações de Uma Thurman, Matt Dillon e David Arquette e uma ótima trilha sonora.



ARRISQUE (se quiser!)



03º. Sexo Sem Compromisso (2011)
02º. Onde Mora o Coração (2000)
01º. Thor (2011)

Tenho uma simpatia por esses filmes, mas estão longe de serem os melhores, portanto, deixo um espaço para eles, se quiserem arriscar, talvez acabe valendo a pena (ou não). "Sexo Sem Compromisso" é aquele filme que Natalie fez sem compromisso mesmo, é comédia, fraca de ideias e final clichê, mas diverte, não chega a ser um tempo perdido, apesar dos pesares, a atriz ainda parece se esforçar e não faz feio em cena. "Onde Mora o Coração" é sobre uma jovem que deu a luz do Walmart e tenta se recuperar numa cidadezinha que não conhece, mas logo é bem recepcionada pelos habitantes, leve, bonitinho, mas não vai muito além, é até bem forçado às vezes, mas acaba valendo a pena, a atriz está bem como protagonista, além dos bons coadjuvantes como Ashley Judd e James Frain. E "Thor", bastante criticado filme da Marvel, é até interessante, por não gostar desta nova safra de filmes de heróis, acabei gostando deste, Kenneth Branagh é um bom diretor e faz um filme decente apesar das limitações do roteiro e Natalie se sai bem como a mocinha. longe de ser um momento marcante em sua carreira, mas vale um sábado a noite.



PASSE LONGE


5º. Sua Alteza? (2011)
4º. Free Zone (2005)
3º. Todos Dizem Eu Te Amo (1996)
2º. Thor: Mundo Sombrio (2013)
1º. Marte Ataca! (1996)

Confesso, não assisti "Sua Alteza?", decidi seguir meu próprio aviso e passei longe, Danny McBride é um ator que não me desce e este projeto pouco me interessou. "Free Zone" é um pretensioso filme de arte dirigido por Amos Gitai, com uma montagem exagerada e confusa, personagens mal exploradas, o filme tinha tudo para ser polêmico e ousado, mas nada é muito bem aproveitado neste filme, extremamente cansativo. Considero "Todos Dizem Eu Te Amo" um dos piores que Woody Allen já dirigiu, há muita gente que gosta, mas nada me convenceu neste musical furado, e logo Woody que sempre deu espaço para grandes atuações, deixou a talentosa Natalie de lado, aparecendo quase como uma figurante. "Thor: Mundo Sombrio" esqueceu o que havia de bom no primeiro filme e resolveu apostar em tudo o que havia de ruim dos filmes da Marvel, resultado: um dos piores que estúdio já realizou. Ação confusa, personagens fracos e um insistente humor fora de hora, e Natalie no piloto automático. "Marte Ataca!" é assustadoramente ruim, nem o bom elenco e a direção de Tim Burton o salvou do fiasco, claro que a intenção da obra é ser trash, mas foi bem difícil chegar até seu fim e Natalie Portman passa despercebida.


Para quem não conhece a filmografia de Natalie Portman ou tenha curiosidade sobre, espero que o post tenha sido útil. Recomendo os filmes citados, não apenas para aqueles que são fãs, mas àqueles que simplesmente procuram obras interessantes para ver. Aproveitando...agradeço às pessoas que acompanham o blog, espero realizar mais outras 100 postagens para um próximo "especial". E agradeço e muito às 402.000 visualizações

referências sobre a atriz: Filmow / Adoro Cinema
imagens: Google Imagens / Cinemasquid

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário #NuncaTePediNada