quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Retrospectiva 2015: Melhores Atores Coadjuvantes


Última lista da retrospectiva voltada para as atuações de 2015, termino falando sobre as melhores atuações masculinas em papéis coadjuvantes. Tivemos muitos este ano e por isso confesso que foi difícil definir os 10 melhores, portanto, comentem sobre os que acharam que faltaram.

por Fernando Labanca


10. Joel Edgerton
(O Presente)
Playarte Pictures
Além de ser um excelente coadjuvante em "O Presente", o ator australiano - que tem crescido cada vez mais em Hollywood - também dirige, produz e roteiriza este inteligente suspense. É seu personagem quem guia as situações da trama, com seu jeito misterioso, seus olhares solitários e um tanto quanto sociopata. Edgerton, que também estava excelente no drama "Aliança do Crime", constrói um personagem curioso aqui, que instiga e nos faz ficar ali, assistindo atenciosos, tentando compreendê-lo.




09. Josh Brolin
(Vício Inerente)
Warner Bros.
Josh Brolin é um grande ator e sempre que ele aparece, ficamos, mais uma vez, diante de uma excelente atuação. Nesta comédia de Paul Thomas Anderson não é diferente e com todo o seu carisma e humor, realiza algumas das melhores sequências do longa, com suas atitudes grosseiras e exageradas, contracenando com outro grande ator, Joaquin Phoenix.




08. Hugh Jackman
(Peter Pan)
Warner Bros.
Me surpreendi e muito quando surgiu na tela o vilão Barba Negra, nesta adaptação de "Peter Pan". Com exageros teatrais e uma energia vinda dos musicais, Hugh Jackman rouba a cena com seu personagem. As aventuras infantis carecem de bons vilões e o ator entregou um perfeito.




07. Mark Ruffalo
(Foxcatcher - Uma História Que Chocou o Mundo)
Sony Pictures
O diretor Bennett Miller conseguiu extrair o melhor de seu elenco em "Foxcatcher", mostrando um lado que desconhecíamos de seu trio de atores principais. Steve Carell e Channing Tatum surpreenderam e Mark Ruffalo não ficou atrás, pelo contrário, entregou um coadjuvante fantástico, marcante na carreira do ator, com trejeitos novos e expressões distantes de outros personagens que ele já havia interpretado. Foi difícil reconhecê-lo e por isso foi tão bom vê-lo em cena.




06. Mark Rylance
(Ponte dos Espiões)
Fox Filmes
Na primeira cena de "Ponte dos Espiões", Steven Spielberg nos apresenta este personagem, Rudolf Abel, um suspeito de ser espião soviético em plena Guerra Fria. Não conhecia o ator, mas havia algo diferente naquele olhar. Nas sequências seguintes, no qual Mark Rylance contracenava com Tom Hanks, fui ficando cada vez mais atento àquela atuação, porque nela tinha algo a mais, havia uma sensibilidade muito grande em cada palavra que ele pronunciava, havia verdade e por isso seu personagem comoveu tanto nesta belíssima trama.




05. Nicholas Hoult
(Mad Max - Estrada da Fúria)
Warner Bros.
"What a lovely day!". Sabia, desde um tempo antes de ser lançado, que Nicholas Hoult, ao lado de Charlize Theron e Tom Hardy, seria um dos principais neste retorno de Mad Max aos cinemas. Não o havia reconhecido nos trailers e confesso que demorei para reconhecê-lo assim que o filme começou. Quando, enfim, entendi que Nux, um dos Garotos da Guerra era Nicholas Hoult levei um choque. Essa foi a grandeza de seu trabalho, surgir tão diferente, tão único, mostrando uma força em cena que jamais tinha visto.




04. Oscar Isaac
(Ex_Machina - Instinto Artificial)
Universal Pictures
Poucas vezes uma ficção científica explorou tão bem o talento de seus atores, e se Alicia Vikander foi a grande revelação do ano graças a sua presença aqui, Oscar Isaac também oferece uma atuação digna de prêmios. Ao interpretar Nathan Bateman, o presidente de uma empresa que desenvolve inteligência artificial, Oscar surpreende, mais uma vez, e com todo o seu charme persuasivo e carisma, entrega um personagem misterioso, estranhamente divertido e cativante. E o que foi aquela dança? Uma das melhores sequências do ano.




03. Michael Fassbender
(Frank)
Europa Filmes
Quando vi algumas críticas positivas sobre a atuação de Michael Fassbender na comédia "Frank", achei estranho. Tudo bem que o cara é sempre excelente, mas como sua interpretação chamaria a atenção quando sua face está escondida numa enorme máscara de Frank Sidebottom? Quando, enfim, vi o filme, compreendi. Destro da máscara, o ator faz loucuras, fora dela (Sim!), a obra nos mostra sua grande surpresa, foi um choque muito bom. Frank é um personagem incrível e tudo o que Frassbender faz com ele me emociona só de lembrar, foi de uma sensibilidade enorme, foi bizarro, mas ainda assim, muito sincero. 




02. Edward Norton
(Birdman ou A Inesperada Virtude da Ignorância)
Fox Filmes
Com um grande elenco em mãos, o diretor Iñárritu os conduziu em cena para que todos estivessem na mesma sintonia, para que todos funcionassem perfeitamente bem juntos, a todo o tempo. E não há um ator ali em cena fora do compasso. Edward Norton, que há um tempo não fazia um personagem tão bom e tão marcante, retorna fantástico, funciona bem dentro deste louco jogo proposto pela produção, com texto e ações rápidas. Intenso em cada diálogo, um marco em sua filmografia. 




01. J.K. Simmons
(Whiplash - Em Busca da Perfeição)
Sony Pictures
Finalmente um papel à altura de seu talento. Todos sabíamos o quão bom Simmons era, mas vê-lo em Whiplash foi uma grande surpresa, vimos o quão longe ele é capaz de ir. O ator dominou, destruiu, arregaçou. Foi brutal, impactante, memorável...enfim, poderia escrever um texto enorme só falando do quanto ele foi incrível em cena. Um coadjuvante de ouro, o papel de sua carreira.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário #NuncaTePediNada