sábado, 6 de novembro de 2010

Especial Brinquedo Assassino

Depois de ter feito o especial para um dos ícones do cinema de horror moderno (e da cultura pop, diga-se de passagem), o senhor Freddy Krueger, em meados de setembro do ano passado, resolvi que era muito importante dar espaço não só a ele, mas a todos os ícones deste gênero tão fascinante, que um dia, num passado muito distante, nos fizeram ficar acordados durante a noite, ou ter terríveis pesadelos.Sim, eu já tive medo do Chucky, assim como tive medo de Freddy Krueger, mas agora eles são os meus ídolos.Mas fico triste por que este especial vai ficar bem menor do que o de Freddy, pois não tem uma história interessante por trás da criação do boneco macabro, nem um ator com carreira relevante (a não ser Brad Dourif) e tem menos filmes do que o seu coleguinha chamuscado.Senhores, hoje eu lhes apresento mais um Especial Cinemateca.Com vocês: A Saga do Brinquedo Assassino.


Por Bárbara


Brinquedo Assassino (Child's Play, 1988):

Charles Lee Ray (Brad Dourif) era um perigoso assassino, chamado de o "Estrangulador de Lakeshore", por matar várias pessoas em rituais de magia negra.Um dia, foi perseguido e atingido por um tiro do policial Mike Norris (Chris Sarandon), e enquanto trocava tiros com ele, é abandonado pelo comparsa Eddie Caputo (Neil Giuntoli).Quando é atingido mais uma vez, fatalmente, ele se esconde numa loja de brinquedos.Querendo vingança, ele procura por qualquer corpo para transferir sua alma, já que prometeu se vingar de Norris e de Caputo.Como não tinha coisa melhor, através de feitiços de magia negra, possuiu um dos bonecos "Good Guy", um dos brinquedos mais populares do momento.Após a possessão, um raio atinge a loja, fazendo com que boa parte dela exploda.Depois da explosão, Norris decide verificar a loja, e encontra Charles (apelidado de Chucky pelos mais próximos) "morto".

Dias depois, um mendigo encontra um desses bonecos, e o vende para Karen Barclay (Catherine Hicks), que presenteou seu filho Andy (Alex Vincent), de 6 anos, com justamente o “Good Guy” possuído por Chucky.Depois de fazer algumas vítimas e de saber, por um amigo, que poderia trocar de corpo, Chucky persegue implacavelmente Andy, afim de possuir seu corpo, e dar prosseguimento a sua matança.

Comentários: De longe,o melhor da franquia.Apesar da idéia ser estapafúrdia, e das reações das vítimas serem mais estapafúrdias ainda (todos tinham medo do Chucky, um merdinha de um boneco de plástico de no máximo 60 cm de altura!!!), o longa emplaca, o ritmo é bom e ainda não há tantos erros de continuidade como o restante da série.Acreditamos piamente na maldade de Chucky, na sua frieza e isso graças a “interpretação” de Brad Dourif, tanto no início do filme, em sua forma humana, quanto na dublagem que fez ele para o boneco.E ao mesmo tempo que você torce para que Andy se salve e ache o Chucky simplesmente um filho-da-mãe,você nutre simpatia pelo boneco.Um dos poucos vilões extremamente

simpáticos, e que ao decorrer da franquia, se torna tão mais simpático do que

os supostos mocinhos, que se transforma na única razão para se assistir um filme da série Brinquedo Assassino.

Os outros protagonistas, Andy e Karen Barclay também são dignos de nota.O menininho dá conta do recado, e a mãe toma as atitudes que grande parte das pessoas tomariam em relação ao filho: acreditar nele ou achar que se trata de um amiguinho imaginário.O único que eu achei meio apagado foi o policial de Chris Sarandon, o típico tira bonzinho...Graças a Deus, os roteiristas tiveram o bom senso de não forçar um envolvimento romântico entre ele e Karen.

Em suma, Brinquedo Assassino é uma ótima opção de entretenimento, não é uma obra-prima, mas cumpre suas premissas básicas: diverte e distrai o espectador por aproximadamente uma hora e meia, e isso pra mim já basta.

Nota: 8/10.


Brinquedo Assassino 2 (Child’s Play 2, 1990):

Depois do incidente envolvendo Andy e Karen Barclay, e a linha de bonecos “Good Guy”

, o fabricante dos bonecos, a Play Pal, resolve reconstruir o

“suposto” boneco possuído.Justamente quando iriam lhe colocar os olhos, um funcionário acabou eletrocutado e a alma de Chucky (Brad Dourif) voltou para o boneco.

Dando cabo de um dos funcionários da fábrica, por meio de um simples telefonema, ele descobre o paradeiro de Andy(Alex Vincent), que foi adotado por um casal que cuida de crianças abandonadas ou retiradas de suas famílias.Chucky parte em busca de Andy para o acerto de contas, e por mais que o menino diga que está sendo perseguido pelo boneco, ninguém lhe dá ouvidos.


Comentários: Até que este não é ruim, mas fica evidente que o nível começa a cair, e que as idéias começam a acabar.Uma coisa que ainda não entrou na minha cabeça, é por que diabos Chucky volta, no corpo do mesmo boneco, sem nenhum feitiço de magia negra???Ele fez o feitiço no primeiro filme, ok, mas neste ninguém faz nada pra justificar a sua volta.Enfim, Chucky não perde tempo e já manda duas pessoas para o além em menos de 10 minutos.Facilmente, mas muito facilmente, ele descobre onde está Andy, que foi mandado para um orfanato, depois que a sua mãe insistiu que o boneco estava possuído por Chucky e acabou internada em uma clínica psiquiátrica.O menino , dias depois, foi adotado por Joanne (Jenny Agutter) e Phil Simpson (Gerrit Graham), e vivia com eles e com a adolescente Kyle(Christine Elise), a outra filha adotiva do casal.

Andy, depois do ocorrido, tenta levar uma vida normal, mesmo sem sua mãe, e também tenta provar para as pessoas, que ele não tem mais medo dos bonecos “Good Guy”, mesmo quando, abrindo um armário na sua nova casa, caiu um boneco desses em cima dele.Depois de constatar que se tratava de Tommy (cada boneco tinha um nome diferente), ele fica mais tranqüilo, mas ele não contava com a possibilidade de Chucky destruir esse boneco, enterrá-lo no quintal e se passar por ele, só para tentar possuir o corpo de Andy outra vez.Sim, Chucky “mata” e enterra Tommy no quintal, como se fosse um cadáver...memorável essa cena.

Bom, algumas pessoas próximas a Andy morrem, como sua professora, depois que ela o deixa de castigo, por que Chucky escreve na prova de Andy “Vai se foder, vadia” e ela pensa que foi o coitado do moleque, é “castigada” por Chucky logo em seguida.Como é bastante previsível , nem vou ficar com a consciência pesada de contar que o casal Simpson também morre, restando apenas Andy e Kyle contra Chucky.

A praga tenta de novo fazer o ritual, mas como já passou muito tempo naquele corpo, ele não consegue transferir sua alma para o corpo de Andy, mas ainda dá muto trabalho para ele e Kyle antes de morrer.Chucky é um bichinho muito complicado de se matar...no primeiro filme foi necessário queimar, esquartejar, degolar e balear o maldito boneco para que ele morresse (de novo).Neste filme, não é diferente, como ele está “virando” humano, ele sangra e sente dor, perde um braço, toma um banho de plástico derretido, e é explodido, finalmente dando descanso para o pobre Andy.

Apesar dos pesares, ainda é um bom filme, mas não é um clássico absoluto do gênero como o seu antecessor.

Nota: 6/10




Brinquedo Assassino 3 (Child’s Play 3, 1991):

Mesmo tendo ocorrido os eventos dos filmes anteriores, a fábrica de brinquedos Play Pal, resolve voltar a fabricar a linha de bonecos “Good Guy”.

A antiga fáb

rica (local onde Chucky (Brad Dourif) foi morto outra vez, no filme anterior) é reativada.Mas no

processo de fabric

ação dos bonecos, o sangue de Chucky, que estava dentro ao boneco destruído, já que Chucky estava se tornando um humano de novo, escorre lentamente nos tonéis de plástico derretido, dando origem a um novo boneco, e fazendo voltar a alma de Charles Lee Ray.


Logo de cara, depois de voltar à ativa, Chucky já despacha Sullivan (Peter Haskell), o dono da fábrica.E por meio dos arquivos do computador dele, descobre o paradeiro de Andy (Justin Whalin), agora com 16 anos, aluno de uma rígida escola militar.

E foi para lá, acertar (de novo) as contas com o garoto.Mas lá ele estabelece um novo alvo, o garotinho Tyler (Jeremy Sylvers), que sempre quis ganhar um “Good Guy” e acaba fazendo amizade com Chucky.Andy sabe de tudo e enquanto tenta convencer Tyler de que Chucky não presta, ainda tem que enfrentar uma dura rotina na escola e ainda por cima o Tenente Shelton (Travis Fine), que adora pisar em seus subalternos e que não vai com a cara dele.Mas nem tudo é ruim, pois a bela Cadete Kristen de Silva (Perrey Ree

ves), se interessa por ele, e se junta na luta contra Chucky.

Comentários: Nos comentários do segundo filme, eu disse que queria uma explicação para a ressureição de Chucky.Neste filme, é ainda pior..Somente por escorrer o sangue de Chucky, já foi o suficiente para que a alma dele voltasse.Bizarro, forçado e ridículo.Colocar Chucky para matar meio mundo numa academia militar, onde a principal atividade é “encenar” uma guerra, no meio do mato, é forçar a amizade!Tudo bem, ele carrega as armas de paintball da moçada com munição real, o que faz algumas pessoas irem pro saco, mas mesmo assim é ridículo.Além disso, corta a garganta de um, faz outro ter um ataque cardíaco, e bota medo em supostos soldados treinados.Mas o que tem de bom nesse filme são algumas frases de Chucky.O boneco está mais sádico, sarcástico e politicamente incorreto do que nos outros filmes, o que deixa claro que ele já estava se tornando uma figura cômica, mesmo antes de A Noiva de Chucky.As frases como “o Chucky vai ser negão” (pois o garotinho Tyler, o alvo de Chucky ,era negro), “Puxa, você cresceu”, quando Chucky entra no quarto de Andy e vê uma revista Playboy na mala do garoto, e mais legal,”Cara, eu preciso sair deste corpo”, quando ele vê Andy e Kristen se beijando.Memorável.

Fora isso, não tem muito o que falar.Lógico que Andy consegue acabar com Chucky e salvar Tyler.Brinquedo Assassino 3 é previsível do começo ao fim.Recomendo para um sábado a noite chuvoso.

Nota: 3/10.


A Noiva de Chucky (The Bride of Chucky, 1998):

Tiffany (Jennifer Tilly), namorada de Charles Lee Ray, mais conhecido como Chucky (Brad Dourif), resolve reconstruir o boneco e ressuscitar seu amado, para que possam se casar.Com os restos do boneco que foi destruído no terceiro filme e que serviam de evidência policial, algumas partes de bonecas velhas e um ritual de vodu, ela traz Chucky de volta.Mas, quando ela propõe o casamento e ele simplesmente ri da sua cara, ela resolve trancafiá-lo numa gaiola, e lhe compra uma boneca vestida de noiva pra lhe fazer compania.No entanto, Chucky reverte essa situação, mata Tiffany e transfere sua alma para a boneca.Depois ele lhe diz que ainda podiam trocar de corpos, mas teriam que recuperar o Coração de Damballa, um amuleto que Chucky usava no dia em que foi morto (pela primeira vez) e que está enterrado com ele em Hackensack, Nova Jersey.Como eles simplesmente não podem perambular por aí sozinhos, pagam para que Jesse (Nick Stabile), vizinho de Tiffany, os leve para lá.Junto com eles, vai a namorada de Nick, Jade (Katherine Heigl), que fugia de seu tio,o chefe da polícia Warren Kincaid (John Ritter), pois ele não aceitava o namoro deles.Na trajetória até o cemitério, Chucky e Tiffany cometem crimes e fazem vítimas, mas tudo isso acaba caindo nas costas de Jade e Jesse.

Comentários: O segundo melhor da franquia, na minha opinião.Se era pra fazer palhaçada, fizeram mesmo e assumiram que a produção era de humor negro e ponto final.E isso garante que A Noiva de Chucky seja um bom filme, mesmo com os seus defeitos.Não tem coisa pior do que um filme que é claramente pastelão se levando a sério.O casalzinho de bonecos é impagável, e o filme é só deles mesmo, a trama de Jade e Jesse é meramente para encher lingüiça.Ver Chucky e Tiffany brigarem como se fossem marido e mulher de verdade, e pior, seres humanos de verdade me fez chorar de rir.Fora o senso de humor de Chucky, que garante boas risadas.Eu tentei assistir a versão legendada, mas só tive acesso a dublada e a dublagem brasileira não deve nada em comparação a dublagem de Brad Dourif, ambas divertidas, sarcásticas e ácidas.A vozinha de Tiffany irrita um pouco, mas quando ela se junta a Chucky não tem pra ninguém.Katherine Heigl, antes de fazer sucesso na série Grey’s Anatomy e nas suas infindáveis comédias românticas está totalmente ofuscada pelo casal de bonecos, e olhe que ela é a mais famosa no elenco “humano”.Nick Stabile e John Ritter nem vale a pena comentar, ninguém liga pra eles.E o final ainda tem o nascimento do bebê de Chucky, a coisinha mais feinha que eu já vi na minha vida, hehehe...hilário.

Nota: 8/10.


O Filho de Chucky (The Seed of Chucky, 2004):

Glen (Billy Boyd), filho de Chucky (Brad Dourif) e Tiffany (Jennifer Tilly), que nasceu no final de A Noiva de Chucky, é explorado por um ventríloco de meia-tigela chamado Psychs (Keith – Lee Castle), na Inglaterra.Vendo na TV que Hollywood estava fazendo um filme contando a lenda urbana sobre seus pais, Chucky e Tiffany, os bonecos assassinos, ele decide ir pra lá, e com o Coração de Damballa, que foi roubado por Psychs, do corpo humano de Chucky, ressuscita os dois.

Decididos a trocarem de corpos, os três se escondem na casa da atriz Jennifer Tilly (que interpreta a si própria) e planejam possuir o corpo dela e o de seu namorado e chofer, Stan (Steve Lawton), e ainda inseminá-la para que ela fique grávida , para Glen possuir o corpo da criança.Mas esse plano não é tão fácil de se por em prática, já que enquanto Chucky tem orgulho de ser assassino e quer que Glen siga os seus passos, Tiffany se vê como uma viciada e quer parar.Já Glen, não tem o mínimo interesse em seguir os passos de Chucky.Para piorar, o boneco não tem sexo, o que faz com que Chucky e Tiffany briguem, ele quer um menino e ela, uma menina.

Comentários: O mais fraco da franquia, inclusive perdendo para a parte 3, que era a pior até então.Boas ideias foram utilizadas de maneira errada, ou subutilizadas, o que faria com que O Filho de Chucky fosse mais divertido.Mas as referências a clássicos, como por exemplo, ao filme O Iluminado, de Stanley Kubrick, compensam a chatice de Glen.Ô bonequinho mais chato esse, hein??!!!Pelo amor...Já Chucky não está com a língua tão afiada quanto em A Noiva de Chucky e Tiffany continua com aquela vozinha enjoada e tenta se redimir, mas fica bem óbvio que ela não consegue..basta os interesses dela entrar em jogo, pra ela fazer tudo o que disse que não ia fazer.

E aquela historinha de Glen ou Glenda é uma das coisas mais xaropes que eu já vi em toda a minha vida, inclusive em filmes pastelão.Ed Wood deve ter chorado de emoção em seu túmulo.

P.S: O melhor momento do filme foi a morte de "Britney Spears" (na verdade, foi uma sósia)..quando o Chucky jogou o carro dela do precipício..hehehe...

Nota: 2/10

3 comentários:

  1. Aaaeee Babi...voltou!!!!

    Bem legal o especial!!!!!
    apesar d não gostar mto do estilo d filme...
    ateh q curto um pouco Chucky...
    só não vi o terceiro e o último vi partes e achei péssimo tbm!!!

    mas eh isso ae...
    continue postando!!!

    ResponderExcluir
  2. Foda o filme sobre o filho de chucky. Se alguém souber como faço para encontrar o boneco do filho em tamanho original, aqui no Brasil, avisem-me.
    e-mail: rlschuch@yahoo.com.br
    Colocar como assunto "chucky"
    Grato.

    ResponderExcluir
  3. meu nome é Glenda :c

    ResponderExcluir

Deixe um comentário #NuncaTePediNada