sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Crítica: O Discurso do Rei (The King's Speech, 2010)

O favorito ao Oscar deste ano, trás grandiosas atuações e uma história interessante, pouco para 12 indicações, mas ainda assim...um filme poderoso!

por Fernando Labanca

Colin Firth interpreta George que desde os quatro anos de idade enfrenta um grande problema, a gagueira. Passou sua vida inteira tentando enfrentar este obstáculo, que não só afetava sua fala, como afetava sua relação com as outras pessoas e principalmente sua auto-estima. O pior de tudo é que ele faz parte de uma família da realeza britânica, seu pai é Rei George V e ele atua como Duque de York e faz discursos devido a isso, para sua total humilhação.

Depois de várias tentativas frustrantes com médicos para tentar curar seu problema, sua adorável esposa, Elizabeth (Helena Bonham Carter) o leva para conversar com um terapeuta, desconhecido e fora da lista de profissionais indicados pela realeza, Lionel Logue (Geoffrey Rush). Este excêntrico homem tem a difícil missão de salvá-lo da gagueira e para isso, o trata de igual para igual, numa conversa franca, testando-o de diversas formas, agindo como seu psicólogo. De início, George acha uma tremenda besteira dar ouvidos para um estranho, eis que seu pai falece e a coroa é dada para seu irmão David (Guy Pearce), o problema é que ele mantém uma vida fora dos padrões da época e a qualquer momento a coroa poderia ir para George, o que o faz entrar numa crise de nervos, nisso procura novamente Lionel, decidido a melhorar e a seguir os conselhos do terapeuta.

Quando enfim, David abdica da coroa, George se torna George VI, num momento tenso na sociedade britânica, numa época de guerra, onde o que o povo mais queria era de um homem que lhes representassem, que falasse por eles. E Lionel passa a ser de papel fundamental neste momento, lhe dá coragem para falar, lhe dá auto-estima, e muito mais do que isso, se torna um verdadeiro e leal amigo.


"O Discurso do Rei" começa lento, a história vai se desenvolvendo aos poucos, e que muitas vezes perde o ritmo, acontecendo sem nos permitir entrar na história. Da metade para o final, o longa ganha mais vida, e quando termina, nos sentimos gratos, satisfeitos por estarmos diante de um filme de qualidade, ainda mais no final, quando estamos realmente emocionados, uma história que nos pega de surpresa, acreditamos desde o início que não daria em nada, mas quando menos esperamos, estamos intensamente envolvidos, no problema de George e na bela amizade que surge entre ele e Lionel. Pelo menos, foi assim que eu me senti.

12 Indicações realmente é forçar a barra, favoritismo no Oscar é um problema. Ter 12 indicações acaba elevando as expectativas, fazendo todos esperarem muita coisa e o filme pode não preencher aquilo que o público espera. Felizmente não ligo muito para o número de indicações, "Bravura Indômita" e "A Rede Social" também tiveram várias e não são filmes tão intessantes assim, logo esperava pouco de "O Discurso do Rei", o que foi bom, pois no meu caso, foi além das minhas expectativas, mas mesmo assim, não merece toda essa badalação.

Tom Hooper não seria um Oscar desperdiçado como Melhor Diretor, um profissional competante e isto é nítido pela extrema qualidade do filme. Fotografia muito boa, cenários bem construídos, tudo muito bem captado pela câmera, além dos ótimos figurinos e uma trilha sonora encantadora feita pelo sempre incrível Alexandre Desplat.

Mas o melhor de "O Discurso do Rei" são as atuações. Colin Firth me surpreendeu, até ano passado quando o ator fez "Direito de Amar" o achava só mais um ator britânico, mas despois de vê-lo no filme de Tom Fordy fazendo um homossexual e convensendo numa performance digna de prêmios, não tive dúvida de seu talento e neste de Tom Hooper, é confirmado sua versatilidade como ator, seu profissionalismo, simplesmente arregaça como protagonista, construindo uma personagem muito interessante. Mas personagem mesmo é Lionel Logue, interpretado magistralmente por Geoffrey Rush, que declaro aqui minha torcida no Oscar por ele como Ator Coadjuvante, um personagem de ouro, com diálogos inteligentes e uma performance incrível. Helena Bonham Carter tira seus trejeitos de "filmes Tim Burton" e encara uma personagem mais séria e convense, sua indicação acho que foi um pouco exagerada, Amy Adams por "O Vencedor" merece mais. Guy Pearce, correto e Timothy Spall totalmente perdido na trama, numa atuação estranha e assustadora.

Um belo filme, correto, que consegue emocionar através da simplicidade, sutilmente nos comove, e sentimos que valeu a pena, não foi um tempo perdido nem dinheiro jogado fora, muito pelo contrário. Vale também pelas boas cenas mais humoradas que funcionam muito bem. "O Discurso do Rei" é muito mais do que um homem tentando se salvar da gagueira, que aliás, em nenhum momento é tratada como uma piada, mas sim como um problema que pode sim afetar a auto estima de uma pessoa. É uma história inteligente, sobre superação, sobre tentar lutar contra a baixa estima, reconhecer seus valores, ter coragem mesmo reconhecendo seus medos e suas fraquezas, de como uma sociedade precisa sim de uma voz e isso acontece até hoje, além de claro, uma sincera história de amizade. Bravo!

NOTA: 8,5


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário #NuncaTePediNada