segunda-feira, 28 de março de 2016

Crítica: Zootopia - Essa Cidade é o Bicho (Zootopia, 2016)

A Disney tem acertado e muito com suas animações e "Zootopia" marca o ápice do estúdio nesses últimos anos. Que grata surpresa poder ir ao cinema e se deparar com esta delícia de filme, tão inteligente, criativo e que além da boa diversão, traz para as telas uma mensagem muito válida para os dias de hoje.

por Fernando Labanca

Não tinha muitas expectativas quanto esta animação e fico feliz por ter percebido que, bem diferente do que eu achava, está longe de ser "só mais uma dentre tantas". Penso que seja o ápice do estúdio desde muito tempo, por ser um filme muito completo, que surpreende pelo alto nível de seu texto, que constrói uma trama muito bem amarrada, bem pensada, que exige um pouco mais de seu público ao entregar um mistério envolvente e cheio de reviravoltas, que faz rir, que emociona e que apesar de ter um grande potencial para agradar os mais novos com seus personagens cativantes, acredito que, mais uma vez dentro do gênero, serão os adultos aqueles que serão melhor recompensados. "Zootopia" dialoga melhor com os mais crescidos, tanto por trazer referências como "O Poderoso Chefão" e "Breaking Bad", mas principalmente por sua história e por tudo aquilo que ela transmite.


Na trama, somos logo apresentados a esta grande cidade chamada Zootopia, um lugar onde todos os mamíferos vivem em harmonia, onde não há mais presas e predadores, superiores e oprimidos. É esta a vida que a pequena coelha Judy deseja para si, e para isso, ela decide deixar sua família vivendo como agricultores em uma fazenda e realizar seu grande sonho de ser uma policial nesta grande metrópole. No entanto, em Zootopia nada vem fácil e para conquistar a confiança de seu chefe e provar de vez seu potencial, Judy se coloca para ajudar na busca de um animal desaparecido. Em sua jornada, ela acaba precisando do auxílio da raposa Nick, que mesmo já tendo cometido algumas infrações, se mostra uma peça fundamental para a resolução do caso e juntos começam a entender que por trás de tudo existe uma grande conspiração que afetará toda a cidade.

Antes de mais nada...que filme divertido! Me vi com um sorriso tonto no rosto da primeira a última cena e ri com determinadas sequências como fazia tempo em que não ria. Somos presenteados com vários momentos hilários e personagens que provocam o riso fácil, além daquele sorriso que vem pela felicidade espontânea por simplesmente estarmos diante de um universo tão criativo e tão sólido. São invenções e excelentes sacadas que permeiam por toda a obra, beira a genialidade tudo o que precisaram criar para "Zootopia" ganhar vida, seja pela composição dos animais, pelos objetos que usam ou pelos pequenos detalhes que completam as cenas, tudo nos coloca ali dentro, nos faz viver um pouco daquilo. É brilhante esta relação que a obra faz entre a nossa realidade com a realidade criada para o filme, em como todos são dependentes da tecnologia (e se divertem com aplicativos), em como a mídia reage diante de um acontecimento polêmico, a forma como mostra as entrevistas e protestos na cidade, tão condizente com o que vemos com frequência na TV, ou simplesmente quando fala de bullying na infância e neste ato que poderá trazer consequências no futuro de alguém. Além do incrível roteiro, encontramos uma ótima edição e uma empolgante trilha sonora, marcando mais uma parceria do estúdio com Michael Giacchino.

É belo quando o cinema consegue usar da fantasia para falar sobre nossa realidade e que, ao inserir pensamentos e ideologias tão humanas, nos faz refletir. Que incrível seria se pudéssemos desfrutar deste mundo, onde aqueles que são diferentes são sempre bem-vindos, onde não houvesse preconceito e todos tivessem acesso as mesmas oportunidades. Um mundo onde pequenos podem ser grandes, onde policiais vão as ruas para proteger e cuidar de uma comunidade e não para separá-la. Esta é a utopia que queremos para nós, ser livre para escolher e viver sem o medo de como seremos aceitos. Se isso já não fosse o bastante, seu texto ainda tem a ousadia (e uma deliciosa ironia) de dizer para as crianças que a vida não é como um filme, onde só é preciso cantar para tudo sair perfeitamente, a vida é mais difícil que isso, mas que é preciso ser persistente, acreditar na melhora. Neste sentido, "Zootopia" representa muito bem os novos tempos e prova que a Disney amadureceu ao longo dos anos e aceitou que agora existem novos valores. Por essas e outras, penso que é uma obra que traz a mensagem certa, na época certa, e desta forma, o vejo como um filme necessário.

NOTA: 9,5



Obs: Não gosto quando colocam famosos para dublar animações, aqui no Brasil, mas dessa vez é preciso ressaltar que Monica Iozzi e Rodrigo Lombardi fizeram um trabalho fantástico. Só percebi que eram eles nos créditos finais. 





País de origem: EUA
Duração: 108 minutos
Distribuidor: Disney / Buena Vista
Diretor: Byron Howard, Rich Moore
Roteiro: Jared Bush, Phil Johnston
Dubladores originais: Ginnifer Goodwin, Jason Bateman, Idris Elba, J.K.Simmons, Jenny Slate





Um comentário:

  1. Zootopia também ocupa a tradição de adicionar uma mensagem adicional dentro da história. Zootopia é o mais recente sucesso da Disney que crianças e adultos amo e quero ver novamente e novamente. O protagonista é um coelho chamado Judy Hopps que, depois de se tornar a primeira turma a se formar na polícia, consegue ser atribuído seu primeiro caso para encontrar uma lontra desapareceu em circunstâncias misteriosas , juntamente com uma raposa.

    ResponderExcluir

Deixe um comentário #NuncaTePediNada