domingo, 15 de maio de 2011

Cinema: Thor

Mais um herói da Marvel chega aos cinemas para preparar o terreno do tão comentado "Os Vingadores". Mas felizmente, "Thor", para minha surpresa, vai mais além do que só mais um filme de herói e mais do que só uma ponte para futuros projetos.

por Fernando Labanca

Numa introdução impecável, rápida e objetiva, conhecemos o Reino de Asgard, liderada por Odin (Anthony Hopkins) que tem em suas mãos aquele tão famoso martelo, onde mantém todo seu poder. Entretanto, seu destino era entregar, em determinado momento, seu poder para um de seus filhos, Thor (Chris Hemsworth) ou Loki (Tom Hiddleston). Quando os dois completam a idade suficiente para comandar Asgard, Odin faz sua escolha, entregando o poder à Thor.

Porém, haviam outros reinos que durante muitos anos viveram em guerra, houve, então, um decreto de paz, e que exatamente na comemoração de Thor, um dos reinos quebra este contrato, o reino de Jotunheim, habitado pelos Gigantes do Gelo, invadindo Asgard. Thor, então, como primeira atitude de um Líder, vai a Jotunheim com seus companheiros reagir a ofença, quebrando de vez o contrato de paz, levando a fúria de Odin, que retira seu martelo, lhe retirando todos seus poderes e lhe expulsando de Asgard, o levando para a Terra.

Na Terra, conhece uma equipe de pesquisadores, Jane (Natalie Portman), o professor Andrews (Stellan Skarsgard) e a estagiária Darcy (Kat Dennings), que ao procurarem, através de satélites, alguns mistérios vindo do céu, se deparam com este ser estranho e se assustam com sua personalidade nada humana, machão, grosseiro e se "achando" o herói. O martelo, por sua vez, foi parar na Terra também, lançado pelo próprio Odin, onde o homem que conseguir recuperá-lo será digno de tal poder. Nisso, a S.H.I.E.L.D entra em ação, através de seu principal agente (Clark Gregg), botam um fim nas pesquisas da equipe de Jane e montam uma complexa estrutura ao redor do martelo, preso num concreto.

Thor, então, tenta reencontrar o objeto que lhe devolveria os poderes, e conta com a ajuda de Jane, que já não havia mais o que perder, ao mesmo tempo que tenta compreender a vida deste ser nada previsível. Enquanto isso no Reino de Asgard, Loki começar a armar um grande plano para ter enfim, o que ele sempre desejou, o poder para si, nem que para isso, tenha que dar um fim em seu próprio pai ou enviar seres do mal em busca de seu irmão. Percebendo, então, que a Terra seria palco de terríveis acontecimentos, Thor decide agir e descobrir e verdadeiro sentido de ser um herói.


O roteiro funciona, nunca li nenhuma HQ, e não me senti perdido na história, o filme consegue conquistar um novo público, levando a trajetória deste herói criado por Stan Lee para aqueles que não conheciam e facilmente entrarão neste universo. O roteiro consegue aproveitar muito bem seus minutos, nos apresentando seus personagens com competência, nos envolvendo com cada um deles, conhecemos suas tramas, seus conflitos, e toda a história é muito bem desenvolvida, não se prendendo nas cenas de ação e muitos efeitos, mas se preocupando mesmo em nos mostrar quem é Thor.

A direção de Kenneth Branagh (Hamlet) é incrível, faz deste filme algo maior. Os ângulos em que ele capta as imagens, a maneira como ele nos guia, é tudo muito diferenciado, consegue trazer beleza para sequências simples, como a que Thor tenta sob o cair da chuva retirar seu martelo do concreto, era para ser só mais uma cena, mas não foi, entre outras passagens em que ele consegue transformá-las em belas imagens. Ajudado com a boa fotografia, e a ótima construção dos cenários, as sequências que ocorrem "nesses reinos" são fascinantes, e é claro, não poderiam faltar, os ótimos efeitos especiais, que não decepcionam. Outro ponto positivo é o humor, muito bem inserido, há cenas realmente engraçadas.

Chris Hemsworth como Thor surpreende, simplesmente por ser um ator novato, mas mesmo assim, deu conta do recado, soube carregar a responsabilidade de ser o protagonista e encarou seu personagem de frente, convense, consegue passar todo aquele jeitão "machão", mas sem perder o carisma. Natalie Portman sempre boa, mas Jane poderia ter sido interpretada por qualquer atriz começo de carreira, não precisava ser ela, só mais um nome para estampar nos cartazes, é como se Natalie fosse boa demais para o papel, mas mesmo assim, não decepciona. Do restanto do elenco, se destaca Anthony Hopkins, com uma força que não via há muito tempo no ator, uma vontade de fazer algo de qualidade, e conseguiu, encarna Odin com perfeição. Outra revelação é Tom Hiddleston, que interpreta o vilão Loki e surpreende e muito, incrível em sua performance, levando em consideração, que a construção de seu personagem foi um dos pontos positivos da trama, um dos bons vilões que surgiram no universo dos heróis...

"Thor" é um filme completo, boa história, direção segura, bons atores no elenco, interpretando bons personagens, além de uma parte técnica impecável. Efeitos especiais na dose certa, respeitando tanto aqueles que curtem uma boa aventura, quanto aqueles que esperam um pouco mais de conteúdo. O filme empolga, há sequências de brilhar os olhos, e ainda um final que não é tão previsível. A comparação com os outros filmes da Marvel é inevitável, é de longe superior a todos os filmes do "Hulk", porém fica lado a lado quando comparado a "Homem de Ferro", diria que é tão bom quanto. Mas isto falando na primeira aventura de Tony Stark, se comparado a segunda parte, "Thor" é muito melhor. Peca pelo excesso de "S.H.I.E.L.D" no roteiro e a toda hora querer justificar os meios que levarão a "Os Vingadores", mas tirando isto, o filme é ótimo, recheado de bons momentos. Não me decepcionou e acredito que não irá decepcionar muita gente também. Enfim, recomendo, entretenimento de qualidade!

NOTA: 9


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário #NuncaTePediNada